Cursos de férias: metodologias alternativas na formação continuada

André Brown, Arthur Chrispino

Resumo


Esse trabalho trata das possíveis metodologias alternativas para a educação, considerando o contexto atual da chamada sociedade do entretenimento mediada pelas Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC). Para aprofundar essas reflexões, foi feita uma pesquisa qualitativa, a partir de narrativas, anotações de campo e de relatos de experiência dos próprios pesquisadores, autores deste artigo e responsáveis pela elaboração dos cursos de férias. Como resultado da pesquisa, constatou-se que, para que haja aprendizagem significativa com as metodologias alternativas, a construção do conhecimento precisa acontecer de maneira ativa, envolvendo alunos e professores facilitadores. Para que os professores possam utilizar adequadamente as metodologias ativas e alternativas, é desejável que eles sejam habilitados, em seus cursos de formação inicial e/ou continuada, nessas práticas inovadoras de aprendizagem e ensino.

Palavras-chave: Metodologias alternativas. Didática. “Geração Z”. Tecnologias.

Vacations courses: alternative methodologies in continuing training courses

Abstract

This work deals with possible alternative methodologies for education, considering the current context of the entertainment society, mediated by the Digital Technologies of Information and Communication (DTIC). In order to deepen these reflections, a qualitative research was made, based on narratives, field notes and the researchers’ reports. These researchers written this article and were responsible for the elaboration of the Vacation courses. As a result, it was found that for meaningful learning with alternative methodologies, the construction of knowledge must take place in an active way, involving students and facilitating teachers. In order for teachers to be able to use active and alternative methodologies appropriately, it is desirable that they be enabled in their initial and / or continuing training courses in these innovative learning and teaching practices.

Keywords: Alternative methodologies. Didactics. Generation Z. Technologies.


Palavras-chave


Metodologias alternativas. Didática. “Geração Z”. Tecnologias.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Flávia Maria Cabral de. Família e educação infantil: em busca do diálogo. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2014.

ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (Orgs.). Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas, SP: Papirus, 2016.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2006.

ARRUDA, Eucídio Pimenta. Ensino e aprendizagem na sociedade do entretenimento. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 36, n. 2, p. 232-239, maio/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2015.

BARBIER, René. A escuta sensível em educação. Cadernos Anped, Porto Alegre, RS, n. 5, p. 187-286. Porto Alegre, 1993.

DEWEY, J. (1916). Democracy and education. Cópia revisada, 1944. New York: The Free Press, 1944.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GABRIEL, Martha. Educ@r: a (r)evolução digital na educação. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

INDALÉCIO, Anderson Bençal; RIBEIRO, Maria da Graça Martins. Gerações Z e Alfa: os novos desafios para a educação contemporânea. Revista Unifev Ciência e Tecnologia, Votuporanga, v. 2, n. 2, p. 137-148, ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3 ed. São Paulo: Ed. 34, 2011.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática e trabalho docente: a mediação didática do professor. 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2016.

ROGERS, Carl R. Liberdade para aprender. 2 ed. Belo Horizonte, MG: Interlivros de Minas Gerais, 1972.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p.79-97. Editora UFPR. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

VEEN, Wim; WRAKKING, Ben. Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VICTORIO FILHO, Aldo. Pesquisar o cotidiano é criar metodologia. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, p. 97-110, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2016.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

_____ . Imaginação e criação na infância. São Paulo: Ática, 2009




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/rcd.v9i17.3799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PORTAIS & INDEXADORES:

Academic IndexAcademic IndexAcademic Index