Estágio supervisionado na graduação em direito: a teoria mascarada

Cristiana Damiani Ignacio, Marco Antonio Barbosa

Resumo


Discute-se por meio da revisão bibliográfica, da análise da legislação aplicável e pela observação direta do funcionamento do estágio supervisionado em quatro cursos de Direito na cidade de Campinas, no Estado de São Paulo, a importância das atividades práticas durante o curso de graduação em Direito no Brasil, evidenciando-se o papel exercido pelos Núcleos de Prática Jurídica das Instituições de Ensino Superior. Com foco no estágio supervisionado, identificam-se as normas através das quais as atividades de prática jurídica foram introduzidas na matriz curricular dos cursos de Direito, bem como a sua obrigatoriedade. Analisam-se, ainda, a Portaria 1886/94 do Ministério da Educação- MEC que instituiu as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Direito e a Resolução nº 09/04, que a substituiu, abordando-se, também, como essas atividades práticas estão sendo realizadas na formação dos operadores jurídicos, a fim de se saber se realmente existem como tal, concluindo-se que embora as atividades práticas venham sendo, aos poucos, inseridas nos cursos de Direito, da forma como são realizadas não atendem o objetivo de proporcionar a todos os acadêmicos da graduação o aprendizado capaz de prepará-los para a vida profissional na sociedade da informação.

 


Palavras-chave


Conflito; Ensino Jurídico; Prática; Sociedade da Informação; Teoria.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/2318-8081.16.27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista REDES - ISSN 2318-8081

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000