Negras paisagens: (in)visualidade afrodescendente na Laguna (SC)

Thiago Juliano Sayão

Resumo


Este texto questiona a (in)visualidade dos afrodescendentes em Laguna, tomando como referência a Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Considero as aparições daquele templo, nas fotografias de paisagem, como algo que nos punge a pensar experiências, memórias e histórias ressonantes da escravização africana e do racismo. As fotos, em que aparece a Igreja do Rosário, são compreendidas como testemunhos do protagonismo dos afrodescendentes em uma cidade litorânea do Sul do Brasil, e, ao mesmo tempo, reveladoras do processo de ocultamento, nos textos dos memorialistas locais, dos africanos e seus descendentes, sejam na condição de escravizados, livres ou libertos.

 


Palavras-chave


Visualidade; Fotografia; Igreja Nossa Senhora do Rosário; Afrodescendente; Laguna

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1981-7207.15.2

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1981-7207

Universidade La Salle - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000