Pai Paulinho de Ogum Xoroquê: memória e sociabilidades

Artur Cesar Isaia, Sandro Rodrigues da Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo a compreensão das narrativas de memória do sacerdote Pai Paulinho de Ogum Xoroquê, referentes às sociabilidades vivenciadas na antiga Bacia de Mont’Serrat, Porto Alegre, RS. O estudo concentra-se na figura de Pai Paulinho, tanto por sua condição de sacerdote de Religiões de Matriz Africana, quanto por ser um morador negro representativo e remanescente da antiga Bacia de Mont’Serrat, um Território Negro da cidade. Nesta territorialidade, passou a sua infância nos anos 1960, conheceu seus espaços de sociabilidade permeados pela presença do Batuque e da Umbanda. Na condição de integrante de uma linhagem sacerdotal afro-brasileira, Pai Paulinho conheceu a religião, seus lugares de culto, suas lideranças, suas cerimônias em um tempo ainda marcado pela regulação religiosa do tempo e do espaço. Este estudo está baseado em um corpus formado pelos registros orais, escritos e iconográficos e seus resultados apontam para um efetivo trabalho de recriação memorial ligada à tradição étnico-religiosa de alguém que conheceu um território identificado com a cultura e religiosidade africana em Porto Alegre/RS.


Palavras-chave


Memória Social; Pai Paulinho de Ogum Xoroquê; Religiões Afro-Brasileiras; Bacia de Mont’Serrat; Porto Alegre.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/mouseion.v0i36.6760

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1981-7207

Universidade La Salle - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000