HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DE PROTEÍNAS DE EFLUENTE SINTÉTICO: ESTUDO DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS

Letícia Poletto, Aniela Pinto Kempka, Rosa Cristina Prestes

Resumo


O alto conteúdo de proteína presente em efluentes de frigoríficos e de laticínios pode levar a uma baixa taxa de biodegradação nos sistemas de tratamento biológico convencionais. O uso de enzimas hidrolíticas como coadjuvantes nestes processos de tratamento pode ser uma alternativa para o aumento da eficiência da biodegradação, pois estas, ao hidrolisarem o substrato, tornam este mais facilmente assimilável para os micro-organismos. O objetivo deste trabalho foi estudar melhores condições de pH, temperatura e concentração de papaína na hidrólise de efluente sintético. Foram utilizados efluentes sintéticos, sendo a fração proteica simulada com o uso de albumina de soro bovina (BSA) e gelatina. Foram obtidos diferentes perfis de decaimento da concentração de proteína para a BSA e para a gelatina, sendo a enzima testada, a papaína, mais eficiente na hidrólise da BSA. As condições de hidrólise para o efluente simulado com BSA foram pH 5,0 e 6,0 e temperatura de 36ºC, para todas as concentrações de enzima testadas. Para o efluente simulado com a gelatina, todas as variáveis testadas exerceram efeito significativo (p<0,05), com ótimo de pH entre 5,0 e 6,0, temperatura de 30ºC e concentração de enzima de 0,1 %.


Palavras-chave


Proteína; Papaína; pH; Concentração; Temperatura.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1981-8858.15.7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1981-8858

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

"Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada." Immanuel Kant.