BIOSSORÇÃO DOS ÍONS Cd2+ E Pb2+ UTILIZANDO A BIOMASSA CASCA DE PEQUI (Caryocar brasiliense Camb) MODIFICADA COM ÁCIDO CÍTRICO

Jéssica Mesquita do Nascimento, Bruno Sampaio da Silva, Márcia Dias Chaves, Jorge Diniz de Oliveira

Resumo


A crescente contaminação do meio ambiente é algo evidente com o avanço industrial, acarretando com isso, a poluição dos rios e lençóis freáticos por metais potencialmente tóxicos como o Cd2+ e Pb2+. Uma alternativa estudada para a remoção destes metais em solução é a biossorção que pode ser realizada através de um biossorvente como a Casca de Pequi (Caryocar brasiliense Camb). A biossorção consiste num processo de adsorção que se refere à ligação passiva de íons metálicos por biomassa viva ou morta. Este trabalho tem como objetivo avaliar o potencial de biossorção da Casca de Pequi (Caryocar brasiliense Camb) na remoção de metais potencialmente tóxicos Cd2+ e Pb2+ em solução aquosa bielementar através dos estudos de Ponto de Carga Zero, Grupos ácidos e básicos segundo a metodologia de Boehm e capacidade e eficiência de biossorção. Os resultados demonstram que a superfície da biomassa in natura apresentou Ponto de Carga Zero (PCZ) na faixa de 3.9 e a modificada na faixa de 3.4, em relação à quantidade de grupos na superfície a biomassa modificada com ácido cítrico possui mais grupos básicos e ácidos do que a in natura, segundo o estudo da capacidade de biossorção e concentração da solução bielementar a Casca de Pequi apresentou boa capacidade e eficiência em relação aos íons Cd2+ e Pb2+.


Palavras-chave


metais potencialmente tóxicos; biossorvente; Casca de Pequi; contaminação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1981-8858

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

"Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada." Immanuel Kant.