Características socioeconômicas e espaciais de regiões com parques científicos e tecnológicos do estado do Rio Grande do Sul

Fernando Fantoni Bencke, Rogis Juarez Bernardy

Resumo


Este estudo tem por objetivo analisar características socioeconômicas e espaciais das regiões que abrigam os parques científicos e tecnológicos do estado do Rio Grande do Sul. O Estado possui uma rede de parques científicos distribuída em diferentes regiões e que se destaca como um dos principais polos de inovação do Brasil. Foram analisadas a região metropolitana de Porto Alegre, microrregião do Vale do Taquari, Santa Cruz do Sul e Passo Fundo. Trata-se de uma pesquisa descritiva realizada a partir de dados secundários obtidos por Sistemas de Informações Geográficas, que permite especializar as informações da pesquisa. Entre os principais resultados destaca-se: as taxas de urbanização das regiões apresentam características definidas e peculiares: a variação de renda pode ser um indicativo das dificuldades estruturais para a motivação de novas matrizes econômicas regionais; na região metropolitana de Porto Alegre, os níveis de renda são mais elevados e existe o predomínio de atividades econômicas urbanas; na microrregião do Vale do Taquari, os estratos de renda per capita são mais concentrados, portanto, menos assimétricos; nas demais regiões, os polos são urbanizados e industrializados, acompanhados de entorno com base de produção agropecuária, com situação de industrialização específica, voltada ao agronegócio ou demais características econômicas regional.


Palavras-chave


Inovação. Parque Científico e Tecnológico. Desenvolvimento Regional.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. D. S. de et al. Do desenvolvimento ao desenvolvimento territorial sustentável: os rumos da região do Vale do Taquari no início do século XXI. Porto Alegre – UFRGS. ([Entre 2008 e 2015]).

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS. Anprotec. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendedorismo Inovadores. Disponível em: . Acesso em: 28.fev. 2020.

AUDY, J. L. N.; KNEBEL, P. Tecnopuc: pessoas, criatividade e inovação. Livro interativo. Site-book: Aldeia. Porto Alegre, 2015.

AUDY, J. L. N. Ambiente da inovação brasileira. Revista Locus. Anprotec, ano 20, n. 77, set. 2014.

BARQUERO, A. V. Os territórios inovadores: espaços estratégicos do desenvolvimento. Revista Crítica e Sociedade, v. 4, n. 2, p. 52-71, 2014.

BASTOS, C. P.; BRITTO, J. Inovação e geração de conhecimento científico e tecnológico no Brasil: uma análise dos dados de cooperação da Pintec segundo porte e origem de capital. Revista Brasileira de Inovação, v. 16, n. 1, p. 35-62, 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos. Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – Brasília, DF: CDT/UnB, 2014.

BOLOGA, G. Territorial competitiveness: form of existence of the quality of regional development. Romênia. 2010.

CARAYANNIS, E. G.; CAMPBELL, D. F. J. Quadruple and Quintuple Helix Innovation Systems and Mode 3 Knowledge Production. Handbook of Cyber-Development, Cyber-Democracy and Cyber-Defense; Carayannis, EG, Campbell, DFJ, Efthymiopoulos, MP, Eds, p. 1-19, 2018.

CHAMPENOIS, C.; ETZKOWITZ, H. From boundary line to boundary space: The creation of hybrid organizations as a Triple Helix micro-foundation. Technovation, v. 76, p. 28-39, 2018.

COLLING, M. A.; PIFFER, M. Corredores de Desenvolvimento: Conceito e Aplicação. Desenvolvimento em Questão. Editora Unijuí, ano 14, n. 36, out./dez. 2016.

CORSI, C.; PRENCIPE, A. Improving Innovation in University Spin-Offs: The Fostering Role of University and Region. Journal of technology management &innovation, v. 11, n. 2, p. 13-21, 2016.

DA COSTA. E. M. Cidades médias: contribuições para a sua definição. Finisterra, XXXVII, 74, Portugal, 2002. Disponível em: http://www.redbcm.com.br/arquivos/bibliografia/eduarda%20marquez.pdf. Acesso em 03 de mar. de 2020.

DA SILVA, L. X. Análise do complexo agroindustrial fumageiro sul-brasileiro sob o enfoque da economia dos custos de transação. Porto Alegre – UFRGS Programa de pós-graduação em Economia (tese de doutorado), 2002.

DÍEZ-VIAL, I.; MONTORO-SÁNCHEZ, Á. How knowledge links with universities may foster innovation: The case of a science park. Technovation, v. 50, p. 41-52, 2016.

e-MEC. Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em 3 de mar. de 2020.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. The triple helix: University–industry–government innovation and entrepreneurship. Routledge, 2017.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Innovation incommensurability and the science park. R&D Management, v. 48, n. 1, p. 73-87, 2018.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, v. 31, n. 90, p. 23-48, 2017.

ETZKOWITZ, H. et al. Pathways to the entrepreneurial university: towards a global convergence. Science and Public Policy, v. 35, n. 9, p. 681-695, 2008.

FEEVALE TECHPARK. 2019. Disponível em: < www.feevale.br/techpark>. Acesso em: 28 fev. 2019.

FELSENSTEIN, D. University-related science parks – “seedbeds” or enclaves of innovation? Technovation, v. 14, n. 2, p. 93-110, Elsevier Science Ltd., Reino Unido, 1994.

GIUNTA, J. The emerging paradigm of new urbanism in science park development. In: AAVV, IASP World Conference on Science and Technology Parks, 5., 1996, Rio de Janeiro. Proceedings, Rio de Janeiro, IASP, p. 17-23,1996.

HAUSER, G.et al. Relação universidade-empresa, inovação e desenvolvimento regional: uma análise do Programa de Apoio aos Polos Tecnológicos do Estado do Rio Grande do Sul. In: XXVII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador – BA, novembro de 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Divisão Territorial. Rio de Janeiro, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estados@: Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Atlas do Censo demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2010a.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estimativa populacional de 2015. Rio de Janeiro, 2015a.

JUNG, C. F.; CATEN, C. S. T. A geração de inovações tecnológicas a partir da parceria entre o setor público e o privado: o programa de pólos tecnológicos do RS In: Liberato: educação, ciência e tecnologia, 2007.

KANNEBLE, S. J; PRINCE, D. Restrição financeira e financiamento público à inovação no Brasil: uma análise com base em microdados da PINTEC. Nova Economia, v. 25, n. 3, p. 553-574, 2015.

KOH, F. C. C.; KOH, W. T. H.; TSCHANG, F. T. An analytical framework for science parks and technology districts with an application to Singapore. Journal of Business Venturing, v. 20, n. 2, p. 217-239, 2005.

LÖFSTEN, H.; LINDELÖF, P. Science Parks and the growth of new technology-based firms – academic-industry links, innovation and markets. Research Policy, v. 31, n. 6, p. 859-876, 2002.

MARTINS, C. M. R. Caracterização da Região Metropolitana de Porto Alegre. Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã – Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser. Porto Alegre, 2013.

MONTOYA, M. A.et al. “Mudança setorial e a nova dinâmica do crescimento econômico do município de Passo Fundo”. Teoria e Evidência Econômica. Ano 16, n. 34, p. 30-41, jan.-jun. 2010.

NEVES, C. E. B. 1995: Ensino Superior Privado no Rio Grande do Sul. A experiência das Universidades Comunitárias. In: Documento de Trabalho 6/95. NUPES - Núcleo de Pesquisas sobre o Ensino Superior da Universidade de São Paulo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995

OPRITESCU, E. M. Competitiveness in regional development. Romênia, 2012.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Impactos do comportamento inovativo das grandes empresas nacionais e estrangeiras da indústria de transformação brasileira no desenvolvimento do Sistema Nacional de Inovação. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 45, n. 1, p. 65-96, 2015.

IBGE. Pesquisa de Inovação 2014. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 março. 2017.

IBGE. Pesquisa de Inovação 2011. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 julho. 2017.

IBGE. Estimativa populacional de 2018. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=resultados. Acesso em: 12 julho. 2017.

PROGRAMA RS TECNÓPOLE. Revista Balanço: Gestão 2011/2014 Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico. Porto Alegre, p. 6-9. 2014.

RANGA, M.; ETZKOWITZ, H. Triple Helix systems: an analytical framework for innovation policy and practice in the Knowledge Society. In: Entrepreneurship and knowledge exchange. Routledge, 2015. p. 117-158.

RODRÍGUEZ-GULÍAS, M. J.; RODEIRO-PAZOS, D; FERNÁNDEZ-LÓPEZ, S. The regional effect on the innovative performance of university spin-offs: a multilevel approach. Journal of the Knowledge Economy, v. 7, n. 4, p. 869-889, 2016.

SILVA, D. R. M.; FURTADO, A. T. Modelos teóricos e interesses de mensuração no surgimento da pesquisa de inovação brasileira (PINTEC). Revista Brasileira de Inovação, v. 16, n. 1, p. 97-128, 2017.

SOARES, T. et al. O sistema de inovação brasileiro: Uma análise crítica e reflexões. Interciencia, v. 41, n. 10, 2016.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. da M. A interação entre universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. Texto para discussão, v. 329, 2008.

TARTARUGA, I. G. P. Inovação no Rio Grande do Sul: distribuição espacial do potencial de inovação. In: CALANDRO, M. L.; MIEBACH, A. D.; ALVIM, A. M. (Org.). Inovação, sustentabilidade e desenvolvimento no RS. Porto Alegre: FEE, p. 86-100, 2017.

TECNOPUC. Parque Científico e Tecnológico da PUCRS. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2019.

TECNOSINOS. Parque Tecnológico São Leopoldo. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2019.

TECNOUNISC. Parque Científico e Tecnológico Regional. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2019.

TECNOVATES. Parque Científico e Tecnológico Univates. 2019. Disponível em . Acesso em: 28 fev. 2019.

UPF PARQUE. Parque Científico e Tecnológico UPF. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2019.

VEDOVELLO, C. Aspectos relevantes de parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Revista do BNDES, v. 7, n. 14, p. 273-300, 2000.

VEDOVELLO, C. Science parks and university-industry interaction: geographical proximity between the agents as a driving force. Technovation, v. 17, n. 9, p. 491-531, 1997.

VIEIRA, J. C. Desafios da Estruturação de um Sistema Nacional de Inovação. Baru, v. 2, n. 1, p. 187-206, 2016.

ZOUAIN, D. M.; PLONSKI, G. A. Parques Tecnológicos: planejamento e gestão. Anprotec, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/desenv.v9i1.5470

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2316-5537

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000