Alterações Cerebrais e os Efeitos do Exercício Físico no Melhoramento Cognitivo dos Portadores da Doença de Alzheimer

Anderson Martelli

Resumo


Introdução: A Doença de Alzheimer (DA) é um distúrbio progressivo da memória e outras funções cognitivas, tornando-se foco de atenção e estudo tendo em vista o aumento de sua prevalência na população mundial. Esta patologia caracteriza-se pelo achado anátomo-patológico do acúmulo de placas senis e dos emaranhados neurofibrilares no tecido cerebral. Objetivo: A presente revisão faz uma descrição sobre a DA abordando as principais alterações cerebrais e os efeitos do exercício físico no melhoramento cognitivo dos portadores desta patologia. Métodos: A pesquisa foi realizada a partir de uma revisão bibliográfica da literatura especializada, sendo consultado artigos científicos localizados nas bases de dados Medline, Scielo, Lilacs e o portal de Periódicos CAPES publicados até 2011 e adicionalmente consulta de livros acadêmicos para complementação da pesquisa além de referências cruzadas dos artigos selecionados. Conclusão: A DA é a principal manifestação das demências nos idosos. Histologicamente, ocorrem o aparecimento das placas senis e dos emaranhados neurofibrilares considerado hoje o marcador neurofisiopatológico mais conhecido da DA. Estudos demonstram que o exercício físico parece aumentar a circulação sanguínea cerebral, estimulando a liberação de substâncias que ajudam no funcionamento do sistema nervoso central com uma melhora das funções cognitivas em pacientes com DA sendo esta uma importante abordagem não farmacológica.


Palavras-chave


Doença de Alzheimer; Exercícios físicos; Cognição; Idoso.

Texto completo:

PDF

Referências


Hamdan AC. Avaliação neuropsicológica na doença de alzheimer e no comprometimento cognitivo leve. Psicol. Argum 2008;26(54):183-192.

Forlenza OV. Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer Rev. Psiq. Clín. 2005;32(3):137-148.

Paula VJR, Guimarães FM, Diniz BS, Forlenza OV. Alzheimer’s disease: amyloid-beta, Tau protein or both? Dement Neuropsychol 2009;3(3):188-194.

Índice Brasileiro de Geografia e Estatística. [Acesso em 20 de março de 2012]. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1866&id_pagina=1

Trentini CM. Gonçalves MTA. Os métodos de investigação na pesquisa junto a cuidadores de idosos com a Doença de Alzheimer. Psico 2009;40(3):308-318.

Taylor LO, Dellaroza MSG. A realidade da atenção a idosos portadores da doença de Alzheimer: uma análise a partir de idosos atendidos em serviços públicos. Semina: Ciências Biológicas da Saúde 2010; 31(1): 71-82.

Guerra AS, Assano AG, Siqueira AN, Alchieri JC. Estudo prospectivo na avaliação do deterioro cognitivo de pacientes com demência de Alzheimer. Neurobiologia 2009;72(1).

Almeida OP. Biologia molecular da doença de Alzheimer: uma luz no fim do túnel? Rev Ass Med Brasil 1997;43(1):77-81.

Inouye K, Pedrazzani ES, Pavarini SCI. Influência da Doença de Alzheimer na percepção da qualidade de vida do idoso. Rev Esc Enferm USP 2010;44(4):1093-9.

Abreu ID, Florenza OV, Barros HL. Alzheimer Disease: Correlation between Memory and autonomy. Rev Psiq Clin. 2005;32(3):131-136.

Hoglund K, Blennow K. Effect of HMG-CoA reductase inhibitors on beta-amyloid peptide levels: implications for Alzheimer’s disease. CNS Drugs, Auckland 2007;21(6):449-462.

Cummings JL, Mackell J, Kaufer D. Behavioral effects of current Alzheimer's disease treatments: a descriptive review. Alzheimers Dement 2008;4: 49–60.

Schwam EM, Abu-Shakra S, Del Valle M, et al. Health economic and the value Terapy inAlzheimer’s disease. Ver Alzheimer’s e Dementia 2007;3:143-151.

Coelho FGM, Santos-Galduroz RF, Gobbi S, Stella F. Atividade física sistematizada e desempenho cognitivo em idosos com demência de Alzheimer: uma revisão sistemática Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(2):163-70.

Colcombe S, Kramer AF. Fitness effects on the cognitive function od older adults: a meta-analytic study. Psychol Sci 2003; 14(2):125-30.

Petroianu A Ca,panema HXM, Silva MMQ, Braga NTP. Atividade física e mental no risco de demência em idosos. J Bras Psiquiatr 2010; 59(4): 302-307.

Silva AF, Girardi JM, Raposo NRB. Uso das estatinas na doença de Alzheimer: uma revisão HU Revista 2010;36(3):239-244.

Aversi-Ferreira TA, Rodrigues HG, Paiva LR. Efeitos do envelhecimento sobre o encéfalo RBCEH 2008;5(2):46-64.

Kumar V, Abbas AK, Fausto N. Robbins e Cotran Patologia. Bases Patológicas das Doenças. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005.

Chai CK. The genetics of Alzheimer´s disease. American Journal of Alzheimer´s Disease & Other Dementias 2007;22(1):37-41.

VCU Departmenty of Pathology. Neuropathology For Medical Students. [Acesso em 10 e maio e 2012]. Disponível em http://www.pathology.vcu.edu/WirSelfInst/neuro_medStudents/dementias.html

Pendlebury WW, Solomon PR. A doença de Alzheimer. Clinical Symposia 1996;48(3):3-9.

SerenikiI A, Vital MABF. A doença de Alzheimer: aspectos fisiopatológicos e Farmacológicos Rev Psiquiatr RS 2008;30(Supl.1).

Fridman C, Gregório SP, Ojopi ÉPB, Dias Neto E. Alterações genéticas na doença de Alzheimer Rev. Psiq. Clín. 2004;31(1);19-25.

Monteiro MR, Kandratavicius L, Leite JP. O papel das proteínas do citoesqueleto na fisiologia celular normal e em condições patológicas J Epilepsy Clin Neurophysiol 2011;17(1):17-23.

Lee VM, Goedert M, Trojanowski JQ. Neurodegenerative tauopathies. Annu Rev Neurosci 2001;24:1121-59.

Diniz BSO, Forlenza, OVO. Uso de biomarcadores no líquido cefalorraquidiano no diagnóstico precoce da doença de Alzheimer Rev. Psiq. Clín. 2007;34(3): 144-145.

Hartmann APBJ, Almeida SM, Livramento JA, Nitrini R, Takahashi D, Caramelli P. Hyperphosphorylated tau protein in the cerebrospinal fluid of patients with alzheimer´s disease and other dementias. Arq Neuropsiquiatr 2004;62(3-B):751-755.

Gallucci Neto J, Tamelini MG, Forlenza OV. Diagnóstico diferencial das demências. Rev. Psiq. Clín. 2005;32(3):119-130.

Pennanen, C, Kivipelto M, Tuomainen S, Hartikainen P, Hänninen T, Laakso MP, Hallikainen M, Vanhanen M, Nissinen A, Helkala E. Hippocampus and Entorhinal Cortex in Mild Cognitive Impairment and Early AD. Neurobiol Aging 2004;25(3):303-10.

Oliveira EM, Aguiar RC, Almeida MTO, Eloia SC, Lira TQ. Benefícios da Atividade Física para Saúde Mental. Saúde Coletiva 2011; 8(50):126-130.

Vital TM, Hernandez SSS, Gobbi S, Costa JLR, Stella F. Atividade física sistematizada e sintomas de depressão na demência de Alzheimer: uma revisão sistemática. J Bras Psiquiatr 2010; 59(1):58-64.

Brito CJ, Volp ACP, Nóbrega OT, Silva Júnior FL, Mendes EL, Roas AFCM, Barros JF, Córdova C. Exercício físico como fator de prevenção aos processos inflamatórios decorrentes do envelhecimento. Motriz. 2011; 17(3):544-555.

Hernandez SSS, Vital TM, Gobbi S, Costa JLR, Stella F. Atividade física e sintomas neuropsiquiátricos em pacientes com demência de Alzheimer. Motriz 2011; 17(3):533-543.

Hernandez SSS, Coelho FGM, Gobbi S, Stella F. Atividade física, cognição e equilíbrio na demência de Alzheimer. Rev Bras Fisioter 2010; 14(1):68-74.

Christofoletti G, Oliani MM, Gobbi S, Stella F. Effects of motor intervention in elderly patients with dementia: an analysis of randomized controlled trials. Top Geriatr Rehabil 2007; 23(2):149-54.

Moreira AGG, Malloy-Diniz LF, Fuentes D, Correa H, Lage GM. Atividade física e desempenho em tarefas de funções executivas em idosos saudáveis: dados preliminares. Rev Psiq Clín 2010; 37(3):109-12.

Rolland Y, Pillard F, Klapouszczak A, Reynish E, Thomas D, Andrieu S. et al. Exercise program for nursing home residents with Alzheimer’s Disease: a 1-year randomized, controlled trial. J Am Geriatr Soc 2007; 55(2):158-65.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000