Homens trans: da invisibilidade à rede de atenção em saúde

Anna Caroline Solka, Clarissa De Antoni

Resumo


A saúde é um direito que deve ser assegurado e promovido pelo Estado. É preciso pensá-la de forma ampliada, principalmente quando se pensa em populações específicas. Esse é o caso dos homens trans, que são pessoas que se percebem e se constroem diferente do sexo assignado ao nascimento. Este estudo, qualitativo/exploratório, teve como objetivo conhecer as principais necessidades em saúde dos homens trans, o acesso e as suas percepções sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) e assim, como essa vivencia influencia no seu bem-estar. Participaram de entrevistas individuais oito homens entre 20 e 50 anos que se identificaram enquanto trans. Utilizou-a a Análise Temática para compreensão dos dados e os principais temas emergentes foram: o desrespeito e/ou o não uso do nome social, a falta de qualificação e o preconceito dos/as profissionais da rede de atenção em saúde e, por fim, a dificuldade de acesso aos serviços e procedimentos específicos em hormonoterapia e cirurgias. Mesmo que respaldados por marcos/documentos regulatórios, algumas práticas fogem à promoção dos direitos em saúde para essas pessoas.


Palavras-chave


transexualidade; homem transexual; identidade de gênero; saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília. DF.

Brasil. Lei nº 8.080 de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 1990; 19 set.

Costa EA. Vigilância Sanitária: contribuições para o debate no processo de elaboração da Agenda de Prioridades de Pesquisa em Saúde. In: Ministério da Saúde. Saúde no Brasil - Contribuições para a Agenda de Prioridades de Pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. p. 127-156.

Almeida Filho ND. O que é saúde? Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013.

Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ; 2009. p. 117-130.

Rodriguez AMM. Experiências de atenção à saúde e percepções das pessoas transgênero, transexuais e travestis sobre os serviços públicos de saúde em Florianópolis/SC, 2013-2014 [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2014.

Moraes CG, Camargo ES, Nardi HC. Formação em gênero e diversidade sexual: conceitos, princípios e práticas. In: Nardi HE, Machado PS, Silveira RS, organizadores. Diversidade sexual e relações de gênero nas Políticas Públicas: o que a laicidade tem a ver com isso? Porto Alegre: Deriva/Abrapso; 2015. p. 145-165.

Princípios de Yogyakarta. Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. 2007. Disponível em:

http://www.clam.org.br/uploads/conteudo/principios_de_yogyakarta.pdf

Nogueira C. “Ter” ou “fazer” o gênero: o dilema das opções epistemológicas em Psicologia Social. In: Guareschi N, organizadora. Estratégias de invenção do presente: a psicologia social no contemporâneo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2008. p. 220-253.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Relatório Final da 12ª Conferência Nacional de Saúde: Conferência Sergio Arouca. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Relatório Final da 13ª Conferência Nacional de Saúde: Saúde e Qualidade de vida: políticas de estado e desenvolvimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Freire EC, Araujo FCA, Souza ÂC, Marques D. A clínica em movimento na saúde de TTTS: caminho para materialização do SUS entre travestis, transsexuais e transgêneros. Saúde Debate 2013; 37(98):477-484.

Bento B. Sexualidade e experiências trans: do hospital à alcova. Cien Saude Colet 2012; 17(10): 2655-2664.

Ávila S. Transmasculinidades: a emergência de novas identidades políticas e sociais. Rio de Janeiro: Multifoco; 2014.

Souza ER, Prado MAM, Machado PS. Transexualidades e saúde no Brasil: entre a invisibilidade e a demanda por políticas públicas para homens trans. Minas Gerais (BH): Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas; 2015. Relatório técnico n° 32/2012. Patrocinado por MCTI/CNPq/SPM-PR/MDA.

Lima F, Cruz KT. Os processos de hormonização e a produção do cuidado em saúde na transexualidade masculina. Sex, salud soc (Rio J). 2016; 23:162-186.

Almeida G. ‘Homens Trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades? Estudos Feministas 2012; 20(2):513-523.

Rolim LB, Cruz RSBLC, Sampaio KJAJ. Participação popular e o controle social como diretriz do SUS: uma revisão narrativa. Saúde Debate 2013; 96(37):139-147.

Thiry-Cherques HR. Saturação em pesquisa qualitativa. Af-Revista PMKT 2009; 3(2):20-27.

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qual Res Psychol 2006; 3(2):77-101.

Brasil. Portaria nº 1.820 de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Diário Oficial da União 2009; 14 ago.

Brasil. Nota Técnica nº 18 de 10 de setembro de 2014. Orienta gestores e operadores do sistema responsável pelo cadastramento de usuários do SUS a como proceder no preenchimento dos campos nome civil, nome social e sexo. Diário Oficial da União 2009; 24 set.

Guaranha C. O desafio da equidade e da integralidade: travestilidades e transexualidades no Sistema Único de Saúde [tese]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2014.

Rocha KB, Barbosa LHR, Barboza CZ, Calvetti PÜ, Carvalho FT, Cerqueira-Santos E, Hermel JS, da Silva Moura A. La atención a la salud en Brasil a partir de la percepción de travestis, transexuales y transgéneros. Forum Qual Soc Res 2009; 10(2).

Silva BB, Cerqueira-Santos E. Apoio e suporte social na identidade social de travestis, transexuais e transgêneros. Rev SPAGESP 2014; 15(2):27-44.

Albuquerque GA, Garcia CL , Alves MJH, Queiroz CMHT, Adami F. Homossexualidade e o direito à saúde: um desafio para as políticas públicas de saúde no Brasil. Saúde debate 2013; 37(98):516-524.

Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006.

Pinheiro TF, Couto MT. Sexualidade e reprodução: discutindo gênero e integralidade na Atenção Primária à Saúde. Physis (Rio J). 2013; 23(1): 73-92.

Batista dos Santos A, Eri Shimizu H, Merchan-Hamann E. Processo de formação das representações sociais sobre transexualidade dos profissionais de saúde: possíveis caminhos para superação do preconceito. Cien Saude Colet 2014; 19(11):4545-4554.

Bento B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond; 2006.

Brasil. Portaria nº 2.803 de 19 de Novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2013; 19 nov.

Borba R. Sobre os obstáculos discursivos para a atenção integral e humanizada à saúde de pessoas transexuais. Sex, salud soc (Rio J). 2014; 17:66-97.

Bento B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond; 2006.

Masson N, Falcão A, Velo MMAC, Pereira AC. Acolhimento e vínculo: tecnologias relacionais na produção da saúde. Ver, Bras, Pesq. Saúde 2015; 17(2):103-110.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v8i1.4895

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000