Apoio social de mães de neonatos hospitalizados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: uma revisão integrativa

Brenda Albuquerque, Lidia Kelly Alves Pereira Alves, Ana Flávia de Paiva Freitas Paiva, Maihana Maira Cruz Dantas Fonseca Dantas, Eulália Maria Chaves Maia Chaves

Resumo


Introdução: A oferta do cuidado e apoio multidimensional as mães de bebês hospitalizadas na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal mostram-se relevantes, pois, é um momento de grandes necessidades e afetações para as puérperas. O apoio social torna-se um elemento essencial no desenvolvimento de uma assistência humanizada ao longo do processo de saúde e doença para fortalecer o enfrentamento da rotina hospitalar e das adversidades provocadas pelo adoecimento do neonato.

Objetivo: investigar qual o apoio social percebido pelas mães de bebês hospitalizados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

Método: o presente estudo é uma revisão integrativa, utilizou-se as seguintes bases de dados online: Scielo, Web of science, PubMed e Scopus.

Resultados: Após a aplicação dos critérios de exclusão e inclusão, foram analisados 18 artigos, posteriormente os mesmos foram classificados em cinco categorias: apoio familiar e de pares; saúde mental e apoio social; apoio da equipe; apoio ao aleitamento materno; e apoio e vínculo mãe- bebê.

Conclusões: evidencia-se que o apoio social percebido influencia positivamente nos mais diferentes aspectos, dessa forma, quando o mesmo é adequado para a situação vivenciada, mostra-se como uma estratégia importante para um enfrentamento mais saudável da hospitalização.


Palavras-chave


Apoio social; Mães; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal.

Texto completo:

PDF

Referências


Leite MG, Rodrigues DP, Sousa AAS, Melo LPT, Fialho AVM. Sentimentos advindos da maternidade: revelações de um grupo de gestantes. Psicologia em Estudo. 2014; 19(1): 115-124.

Coutinho EC, Silva CB, Chaves CMB, Nelas PAB, Parreira VBC, Amaral MO, et al. Gravidez e parto: o que muda no estilo de vida das mulheres que se tornam mães? Revista da Escola de Enfermagem USP. 2014, 48(Esp2):17-24.

Pio DAM, Capel MS. Os significados do cuidado na gestação. Revista Psicologia e Saúde. 2015, 7(1): 74-81.

Brasil. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Estevam DCM, Silva JDD. Visão das mães em relação ao cuidado com o recém-nascido após a alta da UTI neonatal. Revista Saúde e Pesquisa. 2016, 9(1): 15-24.

Andrade RD, Santos JS, Maia MAC. Mello DF. Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2015, 19(1).

Zanfolim LC, Cerchiari EAN. Dificuldades Vivenciadas pelas Mães na Hospitalização de seus Bebês em Unidades Neonatais. Psicologia: Ciência e Profissão. 2017, 38(1): 22-35.

FONSECA MMCD. Apoio social em mães de bebês prematuros hospitalizados: elaboração e evidência de validade de um instrumento. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2016. Tese de Doutorado em Psicologia.

Griep RH, Chor D, Faerstein E, Werneck G, Lopes C. Validade de constructo de escala de apoio social do Medical Outcomes Study adaptada para o português no Estudo Pró-Saúde. Caderno de Saúde Pública. 2005, 21(3): 703-714.

Sherbourne CD, Stewart AL. The MOS social support survey. Social Science & Medicine. 1991, 38(1): 705-714.

Ursi ES. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, 2005. Tese de Doutorado em Enfermagem.

Anjos LS, Lemos DM, Antunes LA, Andrade JMO, Weide, DMN, Caldeira AP. Percepções maternas sobre o nascimento de um filho prematuro e cuidados após a alta. Revista Brasileira de Enfermagem. 2012, 65(4): 571-7.

Williams KG, Patel KT, Stausmire JM, Bridges C, Mathis MW, Barkin JL. The neonatal intensive care unit: Environmental stressors and supports. International. Journal Environmental Research Public Health. 2018, 15(60).

Hagen IH, Iversen VC, Svindseth MF. Differences and similarities between mothers and fathers of premature children: a qualitative study of parents' coping experiences in a neonatal intensive care unit. BioMed Central Pediatrics. 2016, 16(92).

Preyde M, Ardal M. Effectiveness of a parent "buddy" program for mothers of very preterm infants in a neonatal intensive care unit. Canadian Medical Association or its licensors. 2003, 168(8): 969-73.

Rossman B, Greene MM, Meier PP. The role of peer support in the development of maternal identity for "NICU Moms". Journal Obstetric Gynecol Neonatal Nursing. 2016, 44(1): 3–16.

Pineda RG, Stransky KE, Rogers C. Duncan MH, Smith GC, Neil J, et al. The single-patient room in the NICU: maternal and family effects. Journal of Perinatology. 2012, 32: 545–551.

Brites TAM; Roveda JBA, Ribas MM, Pascolat G, Shwetz EA, Cruz AS, et al. Percepção das mães quanto ao atendimento, estado de saúde e prognóstico de seus filhos internados em UTI Neonatal. Revista Médica do Paraná. 2015, 73(2):25-31.

Almeida CR, Morais AC, Lima KDF, Cohim ACO. Cotidiano de mães acompanhantes na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Enfermagem. UFPE online. 2018, 12(7): 1949-1956.

Arzani A, Valizadeh L, Zamanzadeh V, Mohammadi E. Mothers' strategies in handling the prematurely born infant: a qualitative study. Journal of caring sciences. 2015, 4(1): 13-20.

Lima LGD. A construção de uma elaboração gráfica da rede de apoio social de mães durante a hospitalização de seus bebês em UTI. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2017. Dissertação do Mestrado Profissional em Saúde Materno Infantil.

Cherry AS, Mignogna MR, Vaz AR, Hetherington C, Mccaffree MA, Anderson MP, et al. The contribution of maternal psychological functioning to infant length of stay in the Neonatal Intensive Care Unit. International Journal of Women’s Health, 2016, 8: 233–242.

Eutrope J, Thierry A, Lempp F, Aupetit L, Saad S. Dodane C, et al. Emotional Reactions of Mothers Facing Premature Births: Study of 100 Mother-Infant Dyads 32 Gestational Weeks. PLoS ONE. 2014, 9(8).

Ballantyne M, Benzies KM, Trute B. Depressive symptoms among immigrant and Canadian born mothers of preterm infants at neonatal intensive care discharge: a cross sectional study. BMC Pregnancy and Childbirth. 2013, 13(1).

Dantas MMC, Araújo PCB, Revorêdo LS, Pereira HG, Maia EMC. Mothers of hospitalized pre-term and full-term newborn infants: assessment of the social support and anxiogenic symptomatology. Acta Colombiana de Psicología. 2015, 18(2): 129-138.

Poehlmann J, Schwichtenberg AJM, Bolt D, Dilworth-Bart J. Predictors of depressive symptom trajectories in mothers of preterm or low birth weight infants. Journal Family Psychology. 2010, 23(5): 690–704.

Shelton SL, Meaney-Delman DM, Hunter M, Lee SY. Depressive symptoms and the relationship of stress, sleep, and well-being among NICU mothers. Journal of Nursing Education and Practice. 2014, 4(8): 70.

Morais AODS, Simões VMF, Rodrigues LS, Batista RFL, Lamy ZC, Carvalho CA, et al. Sintomas depressivos e de ansiedade maternos e prejuízos na relação mãe/filho em uma coorte pré-natal: uma abordagem com modelagem de equações estruturais. Cadernos de Saúde Pública. 2017, 33(6).

Prado MM. Fatores associados a sintomas depressivos em mães de recém-nascidos pré-termos de muito baixo peso. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2013. Dissertação de Mestrado em Ciência da Saúde.

Melnyk BM, Feinstein NF, Alpert-Gillis L, Fairbanks E, Crean HF, Sinkin RA, et al. Reducing premature infants' length of stay and improving parents' mental health outcomes with the Creating Opportunities for Parent Empowerment (COPE) neonatal intensive care unit program: a randomized, controlled trial. Pediatrics. 2006, 118(5): 1414-1427.

Carvalho AEV, Linhares MBM, Padovani FHP, Martinez FE. Anxiety and depression in mothers of preterm infants and psychological intervention during hospitalization in neonatal ICU. Spanish Journal of Psychology. 2009 12(1): 161-170.

Balbino FS, Yamanaka CI, Balieiro MMFG, Mandetta MA. Grupo de apoio aos pais como uma experiência transformadora para a família em unidade neonatal. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2015, 19(2).

Ncube RK, Barlow H, Mayers PM. A life uncertain - My baby's vulnerability: mothers' lived experience of connection with their preterm infants in a Botswana neonatal intensive care unit. Curationis. 2016, 39(1).

Russell G, Sawyer A, Rabe H, Abbott J, Gyte G, Duley L, et al. Parents' views on care of their very premature babies in neonatal intensive care units: a qualitative study. BioMed Central Pediatrics. 2014,14:230.

Sanders MR, Hall SL. Trauma-informed care in the newborn intensive care unit: promoting safety, security and connectedness. Journal of Perinatology, 2018, 38(1): 3–10.

Wernet M, Ayres JRDCM, Viera CS, Leite AM, Mello DF. Reconhecimento materno na Unidade de Cuidado Intensivo Neonatal. Revista Brasileira de Enfermagem. 2015 68(2): 228-234.

Lilo EA, Shaw RJ, Corcoran J, Storfer-Isser A, Horwitz SM. Does she think she’s supported? maternal perceptions of their experiences in the neonatal intensive care unit. Patient Experience Journal. 2016, 3(1): 15-24.

Rossman B, Meier PP, Janes JE, Lawrence C, Patel AL. Human milk provision experiences, goals, and outcomes for teen mothers with low-birth-weight infants in the neonatal intensive care unit. Breastfeeding Medicine. 2017, 12(6).

Dadalto ECV, Rosa EM. The influence of personal characteristics and social support regarding pacifier introduction among preterm infants. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2016, 29(7).

Uema RTB, Tacla MTGM, Zani AV, Souza SNDH, Rossetto EG, Santos JCT. Insucesso na amamentação do prematuro: alegações da equipe. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015, 36(1): 199-208.

Bezerra MJ, Carvalho ACO, Sampaio KJAJ, Damasceno SS, Oliveira DR, Figueiredo MFER. Percepção de mães de recém-nascidos prematuros hospitalizados acerca da amamentação. Revista Baiana de Enfermagem. 2017, 31(2).

Cunha EC, Siqueira HCH. Aleitamento materno: contribuições da enfermagem. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. 2016, 20(2): 86-92.

Pereira LB, Abrão ACFV, Ohara CVS, Ribeiro CA. Vivências maternas frente às peculiaridades da prematuridade que dificultam a amamentação. Texto & Contexto Enfermagem. 2015, 24(1): 55-63.

Pereira CB, Garcia ESGF, Grandim CVC. Aleitamento materno em prematuros em uma uti neonatal. Uberlândia: Centro Universitário do Sul de Minas, 2017.

Gerstein ED, Poehlmann-Tynan J, Clark R. Mother-Child Interactions in the NICU: Relevance and Implications for Later Parenting. Journal of Pediatric Psychology. 2015, 40(1): 33–44.

Tessier R, Cristo M, Velez S, Girón M, Calume ZF, Ruiz-Paláez JG, et al. Kangaroo mother care and the bonding hypothesis. Pediatrics. 1998, 102(12).

Sousa SC, Medino YMS, Benevides KGCB, Ibiapina AS, Ataíde KMN. Fortalecimento do vínculo entre a família e o neonato prematuro. Revista Enfermagem UFPE online. 2019, 13(2): 298-306.

Viana MRP, Araújo LAN, Sales MCV, Magalhães JM. Vivência de Mães de Prematuros no Método Mãe Canguru. Journal Of Research: Fundamental Care Online. 2018, 10(3): 690-695.

CartaxoI LS, TorquatoII JA, Agra G, Fernandes MA, Platel ICS, Freire MEM. Vivência de mães na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Enfermagem UERJ. 2014, 22(4): 551-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v9i3.7404

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000