Distribuição dos Casos de Sífilis Congênita na Região Sudeste Brasileira: Análise Espaço-temporal

Iago Sávyo Duarte Santiago, Cecília Paz Lopes, Débora Maria Sousa Alexandre, Estelita Lima Cândido, Rener Costa Pires

Resumo


Objetivo: O presente estudo objetiva descrever a situação epidemiológica da sífilis congênita na região Sudeste brasileira de 2016 a 2018, observando se há diferenças significantes nas variáveis analisadas.

Método: Trata-se de um estudo de prevalência a partir de dados oficiais do Ministério da Saúde brasileiro. A análise foi conduzida adotando-se testes para comparação de médias e proporções com significância a 0,05.

Resultados:  Rio de Janeiro apresentou o maior número de registros no triênio (média: 3.982,3±451,59), seguido por São Paulo (média: 3.902,0±208,2), sendo ambos significativamente maiores que Espírito Santo (média:599,6±40,5). A comparação entre os estados revelou valor significante (p=0,0237). A análise das variáveis revela que os resultados não são significantes para a idade da criança no momento do diagnóstico e para a faixa etária da mãe. Diagnóstico final, realização de pré-natal, escolaridade da mãe e tratamento do parceiro apresentaram resultados significantes em alguns estados. 

Conclusões: Os resultados diversos quanto à significância dos valores entre os estados demonstram as distintas realidades enfrentadas por cada Unidade Federativa. Constata-se um aumento nas notificações de sífilis na região, o que pode indicar um real aumento ou pode ser resultado da busca ativa de casos efetuada pelo serviço de vigilância epidemiológica.

Palavras-chave


Sífilis congênita; Epidemiologia Descritiva; Doenças Transmissíveis; Saúde da Criança

Texto completo:

PDF

Referências


Peeling RW, Mabey D, Kamb ML, Chen XS, Radolf JD, Benzaken AS. Syphilis. Nat Rev Dis Primers. 2017 Oct 12; 3:170-73.

Tampa M., Sarbu I., Matei C., Benea V., Georgescu S.R. Brief History of Syphilis. J Med Life. 2014 Mar 15; 7(1): 4–10.

Carmona-Gutierrez D, Kainz K, Madeo F. Sexually transmitted infections: old foes on the rise. Microb Cell. 2016 Sep 5; 3(9):361-362.

Singh AE, Romanowski B. Syphilis: review with emphasis on clinical, epidemiologic and some biologic features. Clin Microbiol Rev. 1999 Apr; 12:187-209.

World Health Organization. WHO Guidelines For The Treatment of Treponema pallidum (syphilis). Geneva: WHO; 2016.

World Health Organization. WHO guideline on syphilis screening and treatment for pregnant women. Geneva: WHO; 2017.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV). Boletim Epidemiológico - Sífilis. Ano 00 - nº 00. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018; Acesso em: 23 Jun 2020.

Carrara S. Tributo a vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. A sífilis e os sifilógrafos no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 1996.

Organização Mundial de Saúde. Eliminação Mundial da Sífilis Congênita: fundamento lógico e estratégia para ação. Genebra: OMS; 2008.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico - Sífilis. Ano V - nº 1. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-sifilis-2019. Acesso em: 07 Jun 2020.

Ministério da Saúde. Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros. http://indicadoressifilis.aids.gov.br/ (acessado em 07/Jun/2020).

Ayres M, Ayres MJ, Ayres DL, Santos AS. BioEstat 5.3. Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Sociedade Civil Mamirauá MCT - CNPq, Belém, 2007

QGIS Development Team. QGIS Geographic Information System. Open Source GeospatialFoundation Project. 2020. Disponível em: https://www.qgis.org/en/site/

Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. An. Bras. Dermatol. 2006 Mar; 81( 2 ): 111-12

Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS-SP, Coordenadoria de Controle de Doenças, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Guia de bolso para o manejo de sífilis em gestante e sífilis congênita. 2a Edição. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde; 2016.

Centro de Referência e Treinamento em DST/AIDS, Coordenadoria de Controle de Doenças, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Guia de Referências Técnicas e Programáticas para as ações do Plano de Eliminação da Sífilis Congênita. São Paulo; 2010.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(Suppl 1): S85-S100.

Domingues RM, Lauria Lde M, Saraceni V, Leal Mdo C. Manejo da sífilis na gestação: conhecimentos, práticas e atitudes dos profissionais pré-natalistas da rede SUS do município do Rio de Janeiro. Cienc Saude Colet. 2013;18(5):1341–51

Ministério da Saúde, Brasília – DF. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis. ISBN 978-85-334- 2445-6, 2016; 1:1-54.

Rac MW, Revell PA, Eppes CS. Syphilis during pregnancy: a preventable threat to maternal-fetal health. Am J Obstet Gynecol. 20ar17;216(4):352-363.

Workowski KA, Bolan GA; Centers for Disease Control and Prevention. Sexually transmitted diseases treatment guidelines, 2015. MMWR Recomm Rep. 2015 Jun 5;64(RR-03):1-137. Erratum in: MMWR Recomm Rep. 2015 Aug 28;64(33):924.

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Syphilis in pregnancy and factors associated with congenital syphilis in Belo Horizonte-MG, Brazil, 2010-2013. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015 Dec;24(4): 681-694.

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016;32( 6 ): e00082415.

Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018;26: e3019.

Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad. Saúde Pública. 2010 Sep;26( 9 ): 1747-1755.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v9i3.7415

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000