CARREIRAS CONTEMPORÂNEAS: DESAFIOS E CONTRADIÇÕES FRENTE ÀS MUDANÇAS DO MUNDO DO TRABALHO

Claudia do Canto Wilkoszynski, Fernando de Oliveira Vieira

Resumo


Identificar como os indivíduos vêm reagindo frente às mudanças do mundo do trabalho e elucidar percepções e comportamentos usuais frente à gestão de carreira contemporânea, motivaram esse estudo. Analisar a possibilidade dos indivíduos adotarem, predominantemente, posicionamentos mais alinhados aos pressupostos: a) do modelo de carreira tradicional; b) dos modelos emergentes de carreira; ou c) dos modelos de carreira tradicional e emergentes – simultaneamente - eram objetivos específicos da pesquisa.  A análise quantitativa e qualitativa dos dados da pesquisa de campo apontou para um posicionamento alinhado aos pressupostos dos modelos emergentes de carreira, embora mais no campo da racionalidade e do discurso.


Palavras-chave


gestão de carreiras; carreira tradicional; carreira emergente

Texto completo:

PDF

Referências


ARTHUR, M. B.; KHAPOVA, S. N.; WILDEROM, C. P. M. Career success in a boundaryless career world. Journal of Organizational Behavior, v. 26, n. 2, p. 177-202, 2005.

ARTHUR, M. B. The boundaryless career: A new perspective for organizational inquiry. Journal of Organizational Behavior, v. 15, n. 4, p. 295-306, 1994. ISSN 1099-1379.

BALASSIANO M.; COSTA, I. S. A. Gestão de Carreiras – Dilemas e Perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

BARUCH, Y. Career development in organizations and beyond: Balancing traditional and contemporary viewpoints. Human Resource Management Review, v. 16, n. 2, p. 125-138, 2006. ISSN 1053-4822.

BENDASSOLLI Pedro F. Recomposição da relação sujeito-trabalho nos modelos emergentes de carreira. Revista de Administração de Empresas, out/dez, v. 49, n. 4, São Paulo, 2009.

BRISCOE, J. P.; HALL, D. T.; FRAUTSCHY DEMUTH, R. L. Protean and boundaryless careers: An empirical exploration. Journal of Vocational Behavior, v. 69, n. 1, p. 30-47, 2006. ISSN 0001-8791.

BRISCOE, J. P., FINKELSTEIN LISA M., "The “new career” and organizational commitment: do boundaryless and protean attitudes make a difference?", Career Development International, vol. 14 iss: 3, pp.242 – 260, 2009. ISSN: 1362-0436.

CHANLAT, Jean-François. Quais carreiras para qual sociedade? Revista de Administração de Empresas, v. 35, n.6, p.67-75, São Paulo, 1995.

______. Quais carreiras para quais sociedades? Revista de Administração de Empresas, v. 36, n. 1, p. 13-20, São Paulo, 1996.

CLARKE, M. Plodders, pragmatists, visionaries and opportunists: Career patterns and employability. Career Development International, v. 14, n. 1, p. 8-28, 2009.

COLAKOGLU, S. N. The impact of career boundarylessness on subjective career success: The role of career competencies, career autonomy, and career insecurity. Journal of Vocational Behavior, v. In Press, Corrected Proof, ISSN 0001-8791.

COELHO, Joyce Ajuz. Organizações e Carreiras sem Fronteiras. In: BALASSIANO, Moyses e COSTA, Isabel de Sá Affonso. Gestão de carreiras – dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

COSTA, Ana Heloísa Lemos da. Empregabilidade e individualização da conquista do emprego. In: BALASSIANO, Moyses e COSTA, Isabel de Sá Affonso. Gestão de carreiras – dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

COSTA, Isabel de Sá Affonso da; CAMPOS, Anna Maria de Souza Monteiro. Carreira, vivência e construção de si. In: BALASSIANO, Moyses e COSTA, Isabel de Sá Affonso. Gestão de carreiras – dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

DEFILLIPPI, R. J.; ARTHUR, M. B. (1994), The boundaryless career: A competency-based perspective. J. Organiz. Behavior., 15: 307–324. doi: 10.1002/job.4030150403.

DE VOS, A.; SOENS, N. Protean attitude and career success: The mediating role of self-management. Journal of Vocational Behavior, v. 73, n. 3, p. 449-456, 2008. ISSN 0001-8791.

DUTRA, Joel de Souza. Administração de carreiras – uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 1996.

FONTENELLE, Isleide Arruda. Autogestão estratégica de carreira. HSM Management, v. 31, São Paulo, 2006.

FREITAS, Maria Ester de. O contexto social e imaginário organizacional moderno. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n.2, p. 6-15, São Paulo, 2000.

HALL, D. T. The protean career: A quarter-century journey. Journal of Vocational Behavior, v. 65, n. 1, p. 1-13, 2004. ISSN 0001-8791.

______. The new protean career contract: Helping organizations and employees adapt. Organizational Dynamics Journal, v. 26, n. 3, p. 22-37, 1998, ISSN:0090-2616

HALL, D. T.; MIRVIS, P. H. The New Career Contract: Developing the Whole Person at Midlife and Beyond. Journal of Vocational Behavior, v. 47, n. 3, p. 269-289, 1995. ISSN 0001-8791.

KILIMINIK, Z. M.; CASTILHO, I.V.; SANT´ANNA, A. S. Carreiras em transformação e seus paradoxais reflexos nos indivíduos: metáforas de carreira e de competências. Revista Comportamento Organizacional e Gestão, v. 12, n. 2, p. 257-280, Belo Horizonte, 2006.

MAINIERO, L. A.; SULLIVAN, S. E. Kaleidoscope careers: An alternate explanation for the "opt-out" revolution. Academy of Management Executive, v. 19, n. 1, p. 106-123, 2005.

MALSCHITZKY, Nancy. A importância da orientação de carreira na empregabilidade. ABOP – Associação Brasileira de Orientação Profissional, 2004. Disponível em: http://www.abopbrasil.org.br. Acesso: 19/05/10.

MARTINS, Hélio Tadeu. Gestão de Carreira na era do conhecimento – abordagem conceitual & resultados de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

MORIN, M. Estelle. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, v. 1, n. 1, p. 71-75, São Paulo, 2002.

MOTTA, Paulo Roberto. Reflexões sobre customização das carreiras gerenciais: a individualidade e a competitividade contemporâneas. In: BALASSIANO, Moyses e COSTA, Isabel de Sá Affonso. Gestão de carreiras – dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

POWER, S. J. Career management tactical innovations and successful interorganizational transitions. Career Development International, v. 15, n. 7, p. 664-686, 2010.

SARSUR, Amyra Moyses; SILVA, Ronaldo A. R. da. Empregabilidade estratégica: como as organizações transformam guerreiros vencedores em sujeitos fragmentados. Caderno de Idéias, v. 0213, Belo Horizonte, Fundação Dom Cabral, 2002.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SILVA, Carlos Roberto Ernesto da. Orientação Profissional: utilidade, valor e impacto na gestão da carreira e na vida pessoal. Dissertação. Mestrado em Gestão Social e do Trabalho. – Brasília: Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação, 2007.

SULLIVAN, S E.; BARUCH, Y. Advances in Career Theory and Research: A critical review and agenda for future exploration. Journal of Management, v. 35:6, p. 1542-1571, Savannah – USA, Southern Management Association, 2009.

SULLIVAN, S. E. et al. Using the kaleidoscope career model to examine generational differences in work attitudes. Career Development International, v. 14, n. 3, p. 284-302, 2009.

SULLIVAN, S. E.; CARDEN, W. A.; MARTIN, D. F. Careers in the next millennium: directions for future research. Human Resource Management Review, v. 8, n. 2, p. 165-185, 1998. ISSN 1053-4822.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Individualismo e Carreira: duplo constrangimento. In: BALASSIANO, Moyses e COSTA, Isabel de Sá Affonso. Gestão de carreiras – dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1045

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2316-5537

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000