OS SENTIDOS DE ROTATIVIDADE EM UMA COOPERATIVA DE RECICLAGEM

Marina Cardoso de Oliveira, Ana Maria Sá Azevedo, Geraldino Carneiro Araújo

Resumo


O cotidiano dos empreendimentos solidários é marcado por dificuldades para efetivar a autogestão, uma vez que sofrem com a alta rotatividade dos seus associados. O objetivo desta pesquisa foi o de analisar os sentidos da rotatividade em uma cooperativa de reciclagem. Participaram da pesquisa três cooperados e três ex-cooperados de uma cooperativa de reciclagem do interior do país. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas que foram analisadas por meio da análise do discurso embasada na epistemologia construcionista social. Foram constatados sete sentidos para a rotatividade: (1) ser dono e o individualismo; (2) falta de solidariedade; (3) problemas de gestão e aplicações de normas; (4) falta de responsabilidade e compromisso; (5) baixa renda; (6) sonho; e (7) identidade do catador/reciclador. Ao utilizarem tais sentidos para descrever a rotatividade, os participantes se posicionaram  paradoxalmente, ora como cooperados com sonhos de ver a cooperativa crescer e identificados com o trabalho que realizam e ora como pessoas individualistas, compartilhando as crenças capitalistas de organização do trabalho.

Palavras-chave


rotatividade; catadores; economia solidária; cooperativismo; inclusão social.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Vanessa Andrade; PINTO, João Batista Moreira. Reciclagem: Trabalho e cidadania. In: KEMP, Valéria Heloisa; CRIVELLARI, Helena Maria Tarchi. Catadores na cena urbana: Construção de políticas socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BECK, Ulrich. World risk society. Malden. USA: Polity Press, 2007.

BELLENZANI, Renata. A dialética da inclusão/exclusão social na organização de coletivos cooperativista: reflexões e propostas. In: OLIVEIRA, Marina Cardoso; ARAÚJO, Geraldino Carneiro; SALES, Eliana Mota Bordin. Extensão Universitária e Economia Solidária: Práticas e Reflexões. Campo Grande: EDUFMS, 2013, p. 27-50.

BORGES, Ângela Maria Carvalho. O emprego no Brasil urbano nos anos 2000. Recuperação e reconfiguração. Revista em Pauta, v. 30, n.10, p. 17-34, 2012.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Análise do custo de geração de postos de trabalho na economia urbana para o segmento dos catadores de materiais recicláveis, 2006.

CANDEIAS, Cezar Nonato Bezerra. Economia solidária, desenvolvimento local e capital social: a construção de círculos virtuosos. In: CANDEIAS, Cezar Nonato Bezerra; MACDONALD, José Brendan; MELO-NETO, José Francisco (orgs). Economia Solidária e Autogestão: ponderações teóricas e achados empíricos. Alagoas: EDUFAL, 2005. p.61-74.

CRÚZIO, Helnom Oliveira. Cooperativas em rede e autogestão do conhecimento. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

ENRIQUEZ, Eugène. O vínculo grupal. In: LÉVY, André; NICOLAÏ, André; ENRIQUEZ Eugène; DUBOST, Jean. (Orgs.), Psicossociologia: análise social e intervenção. Rio de Janeiro: Vozes. 1994.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GONÇALVES, Alícia Ferreira. Experiências em economia solidária e seus múltiplos sentidos. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 132-142, 2008.

LEI Nº 12.305/2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília, 2 de agosto de 2010.

MAGERA, Marcio Conceição. Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade – análise interdisciplinar das cooperativas de reciclagem de lixo. 2. Ed. Campinas: Editora Átomo, 2005.

MELO-NETO, José Francisco de. Autogestão. In: CANDEIAS, Cezar Nonato Bezerra; MACDONALD, José Brendan; MELO-NETO, José Francisco (orgs). Economia Solidária e Autogestão: ponderações teóricas e achados empíricos. Alagoas: EDUFAL, 2005. p. 9-36.

MIURA, Paula Orchiucci. Tornar-se catador: uma análise psicossocial. Dissertação de mestrado não publicada. Mestrado em Psicologia Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, SP. 2004.

NOMURA, Felícia Hiromi; GAIDZINSKI, Raquel Rapone. Rotatividade da equipe de enfermagem: Estudo em Hospital-Escola. Revista Latino Americana de Enfermagem. v.13, n. 5, p. 648-653, 2005.

OLIVEIRA, Marina Cardoso, et al. Reflexões sobre economia solidária e cooperativas de catadores de materiais recicláveis: conquistas e desafios. In: OLIVEIRA, Marina Cardoso; ARAÚJO, Geraldino Carneiro; SALES, Eliana Mota Bordin. Extensão Universitária e Economia Solidária: Práticas e Reflexões. Campo Grande: EDUFMS, 2013. p. 75-91.

OLIVEIRA, Rosângela Alves de. Educação popular na economia solidária: uma ponte para a construção do novo. In: CANDEIAS, Cezar Nonato Bezerra; MACDONALD, José Brendan; MELO-NETO, José Francisco (orgs). Economia Solidária e Autogestão: ponderações teóricas e achados empíricos. Alagoas: EDUFAL, 2005. p. 87-104.

PINHEL, Julio Ruffin; ZANIN, Maria; DEL MÔNACO, Graziela. Características essenciais para os catadores de resíduos recicláveis visando sua emancipação social, econômica e política. In: ZANIN, Maria; GUTIERREZ, Rafaela (orgs). Economia solidária: tecnologias em reciclagem de resíduos para a geração de trabalho e renda. São Carlos: Claraluz, 2009. p. 137-147.

PINTO, José Roberto Lopes. Economia Solidária: de volta à arte da associação. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

RIOS, Luiz Oliveira. Cooperativas brasileiras: manual de sobrevivência e crescimento sustentável: 10 Lições práticas para as cooperativas serem bem sucedidas em mercados globalizados. São Paulo: STS, 1998.

SANTOS, Georgia Patrícia. Guimarães. Desemprego, informalidade e precariedade: a situação do mercado de trabalho no Brasil pós 1990. Pro-Posições, v. 19, n. 2. p. 151-161, 2008.

SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2010.

TAUILE, José Ricardo, RODRIGUES, H. Economia solidária e autogestão no Brasil: síntese de uma pesquisa. Notas Técnicas. Mercado de Trabalho, 28. IPEA, 2005.

VASCONCELOS, Maria da Conceição Almeida. Cooperativismo e Cotidiano: um estudo da Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de lixo de Aracaju – CARE. In: CANDEIAS, Cezar Nonato Bezerra; MACDONALD, José Brendan; MELO-NETO, José Francisco (orgs). Economia Solidária e Autogestão: ponderações teóricas e achados empíricos, Alagoas: EDUFAL, 2005. p. 105-134.

WETHERELL, Margaret; POTTER, Jonathan. Discourse analysis and the identification of interpretative repertories. In: ANTAKI, C. (ed) Analysin everyday explanation: a casebook of methods. London: Sage, 1988.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/1367

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2316-5537

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000