Relação entre a qualidade alimentar e sintomas depressivos em idosos de Porto Alegre: estudo transversal

Urzsula Padilha Dausacker, Sandra Mari Barbiero, Adriana da Silva Lockmann, Luis Henrique Telles da Rosa, Luis Fernando Ferreira

Resumo


Introdução: A depressão na população idosa é frequente e compromete a sua qualidade de vida, podendo a ingestão de nutrientes estar associada. Objetivos: analisar a relação do estado emocional com o consumo alimentar de idosos. Métodos: estudo transversal, com avaliação de 37 idosos residentes em Porto Alegre. A avaliação do consumo alimentar foi feita a partir de um recordatório de 24 horas, utilizando-se o programa Dietwin Plus. Para avaliação do estado emocional foi utilizada a Escala de Depressão Geriátrica (GDS). Resultados: Doze (32,4%) idosos estavam fora de risco de alteração de humor. Idosos que consumiram menores quantidades de vegetais, hortaliças e derivados (r=-,434), de frutas (r=-,328), e vitaminas A, C e K e potássio (r=-,347; -,370; -,364 e; -,345 respectivamente) apresentaram maior propensão às alterações de humor. A única correlação positiva com o resultado de GDS foi o consumo calórico diário (r=,473), ou seja, quanto maior o consumo calórico, maior o risco de alterações de humor. Na média, a amostra apresentou alteração no estado emocional (+5,54 pontos). Conclusão: Os hábitos alimentares podem indicar risco de alterações de humor em idosos, o que pode levar a quadros mais sérios, como depressão, influenciando na qualidade de vida no envelhecimento.


Palavras-chave


Idoso; Envelhecimento; Alterações de Humor; Nutrição; Nutrição do Idoso; Depressão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v8i3.7015

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000