Mensuração de externalidades econômicas oriundas das intoxicações exógenas por agrotóxicos em Mato Grosso.

Milene Moreno Ferro Hein, Luís Otávio Bau Macedo

Resumo


Introdução: O agronegócio de Mato Grosso tem se destacado mundialmente como um dos maiores produtores de grãos e consumidor de agrotóxicos, fator que favorece as intoxicações, típica externalidade negativa. Objetivo: Descrever os aspectos epidemiológicos e mensurar a externalidade econômica oriunda das intoxicações por agrotóxicos relacionadas ao agronegócio.Materiais e métodos:Trata-se de um estudo descritivo, foram utilizados dados obtidos no SINAN, acerca das notificações das intoxicações exógenas por agrotóxicos agrícola,no período de 2015 a 2017, em Mato Grosso. Resultados: Foram registradas 242 notificações a maioria ocorreu na região Norte (44,62%) e nos municípios de Nova Mutum/Sinop/Sorriso (23,13%). Prevaleceu os casos em indivíduos do sexo masculino (84,71%), na faixa etária de 20 a 39 anos (57,85%) de raça parda (57,02%) e com escolaridade de 5a a 8a série incompleta (21,07%), 66,53% da exposição ocorreu no ambiente de trabalho, circunstância acidental (44,21%), destaque para a exposição aguda única (76,86%). As despesas oriundas da intoxicação exógena por agrotóxico agrícola foram de R$ 718,15 por indivíduo. Conclusão: O agronegócio tem contribuído positivamente com cerca de 50,5% do PIB do estado, porém gerado externalidades negativas, torna-se necessário, incentivar as ações de prevenção das intoxicações para garantir a saúde da população.


Palavras-chave


Externalidade econômica; Intoxicação exógena; Agrotóxico.

Texto completo:

PDF

Referências


Cavalcanti C. Uma tentativa de caracterização da economia ecológica. Ambiente & Sociedade. 2003 Jan/Jun; 7(1): 149-158.

Cechin AD. A natureza como limite da economia: a contribuição de Nicholas Georgesku. São Paulo: SENAC; 2016.

Ferreira VVM et al. Estudos de externalidades na área de saúde humana decorrentes de reservatórios hidrelétricos. Eng Sanit Ambient. 2011 abr/jun; 16(2): 149-156.

Soares WL. Uso dos agrotóxicos e seus impactos à saúde e ao ambiente: uma avaliação integrada entre a economia, a saúde pública, a ecologia e a agricultura. [tese]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2010.

Veiga MM. Agrotóxicos: eficiência econômica e injustiça socioambiental. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(1): 145-152.

Silva SA. O agronegócio e as intoxicações agudas por agrotóxicos em Mato Grosso, Brasil [dissertação]. Cuiabá: Instituto de Saúde Coletiva da UFMT; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Intoxicações exógenas relacionadas ao trabalho no Brasil, 2007-2016. Boletim Epidemiológico. 2018A; 49(58).

Beserra L. Agrotóxicos, vulnerabilidades socioambientais e saúde: uma avaliação participativa em municípios da bacia do rio Juruena, Mato Grosso [dissertação]. Cuiabá: Instituto de Saúde Coletiva da UFMT; 2017.

Araújo IMM; Oliveira ÂGRC. Agronegócio e agrotóxicos: impactos à saúde dos trabalhadores agrícolas no nordeste brasileiro. Trab. Educ. Saúde. 2017 jan/abr; 15(1): 117-129.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: , acesso em: 04 de Abril de 2020.

Derani C; Scholz MC. A injustiça ambiental das externalidades negativas das monoculturas para commodities agrícolas de exportação no Brasil. Rev. de Direito Agrário e Agroambiental. 2017 Jul/Dez; 3(2): 1-25.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada-CEPEA. PIB do agronegócio encerra 2019 com alta de 3,81%. Disponível em: , acesso em 26 de abril de 2020.

Pignati WA et al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(10): 3281-3293.

Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária. Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso. 2019. Disponível em: , acesso em: 06 de Abril de 2020.

IBGE. Projeção da População das Unidades da Federação por sexo e idade: 2000-2030, 2013. Disponível em: , acesso em: 06 de Abril de 2020.

Silva DO da. et al. Exposição aos agrotóxicos e intoxicações agudas em região de intensa produção agrícola em Mato Grosso, 2013*. Epidemiol. Serv. Saude. 2019; 28(3).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Relatório: Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos no Estado do Mato Grosso. Elaboração: Mirella Dias Almeida. [201-?] Disponível em: , acesso em: 01 de Junho de 2020.

Reis V. Exposição a agrotóxicos em MT é quase 10 vezes maior do que média nacional. 2019. Disponível em: , acesso em: 06 de Abril de 2020.

Soares WL; Porto MF de S. Uso de agrotóxicos e impactos econômicos sobre a saúde. Rev Saúde Pública. 2012; 46(2): 209-217.

Sindicato dos trabalhadores rurais de Sorriso. Convenção coletiva de trabalho. Disponível em: , acesso em: 20 de maio de 2020.

Sindicato dos trabalhadores rurais de Sorriso. Convenção coletiva de trabalho. Disponível em: , acesso em: 20 de maio de 2020.

Sindicato dos trabalhadores rurais de Sorriso. Convenção coletiva de trabalho. Disponível em: , acesso em: 20 de maio de 2020.

Corcino C. O; Teles RB de A; Almeida JRG da S. et al. Avaliação do efeito do uso de agrotóxicos sobre a saúde de trabalhadores rurais da fruticultura irrigada. Ciência & Saúde Coletiva. 2019; 24(8): 3117-3128.

Carneiro FF; Augusto LG da S; Rigotto RM. et al. (Org.) Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS-CONITEC. Diretrizes Brasileiras para Diagnóstico e Tratamento de Intoxicações por Agrotóxicos-Capítulo 1. Brasília-DF, 2018b.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v9i3.7228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000