Autopercepção de saúde de idosos participantes de grupos de canto coral na Cidade de Curitiba/Paraná

Magda da Silva Oliveira Menezes dos Santos, Ana Caroline de Paula, Gerson Flores-Gomes, Valdomiro de Oliveira, Gislaine Cristina Vagetti

Resumo


Introdução: o canto coral pode ser uma ferramenta protetiva para cognição e aspectos da qualidade de vida de idosos e a autopercepção de saúde tem se mostrado um bom indicador da saúde das pessoas idosas.

Objetivo: investigar a autopercepção de saúde de idosos participantes de grupos de canto coral na cidade de Curitiba/Paraná. 

Materiais e métodos: estudo de abordagem mista, 32 participantes idosos responderam a questionários fechados e a questão “o que é ter saúde para o(a) senhor(a)?”. Os dados descritivos foram apresentados mediante medidas de tendência central e dispersão para variáveis contínuas e distribuição de frequência para as variáveis categóricas. A questão aberta foi analisada por meio de análise temática do conteúdo, utilizando o método de análise de especificidades e análise fatorial combinatório com recursos do software IRAMUTEQ.

Resultados: os participantes declararam uma autopercepção de saúde positiva. A saúde é compreendida como um conceito amplo que envolve cinco principais aspectos: relações interpessoais, aspectos físicos, espirituais, conforto e temores. Ter saúde está associado a autonomia para exercer suas atividades.

Conclusões: as condições socioeconômicas e estilo de vida são aspectos que irão influenciar diretamente na autopercepção de saúde de pessoas idosas. A participação em atividades sociais pode fomentar as relações interpessoais.


Palavras-chave


Saúde do Idoso; Idoso; Envelhecimento; Canto; Música

Texto completo:

PDF

Referências


Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, 23 (6): 1929-1936. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.04722018.

Clift SM, Nicol J, Raisbeck M, Whitmore C, Morrison I. Group singing, wellbeing and health: a systematic mapping of research evidence. 2010. UNESCO Observatory, 2 (1). ISSN 1835-2776.

Creech A, Hallam S, McQueen H, Varvarigou M. The power of music in the liver o folder adults. Research Studies in Music Education. 2013, 35 (1): 83-98. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1321103X13478862

Lehmberg LJ, Fung CV. Benefits of music participation for senior citizens: a review of the literature. Music Education Research International. 2010, 4: 19-30.

Yinger OS. Adapting choral singing experiences for older adults: the implications of sensory, perceptual, and cognitive changes. International Journal of Music Education, 2014, 32 (2): 203-212.

Disponível em: https://doi.org/10.1177/0255761413508064.

Johnson JK, Louhivuori J, Stewart AL, Tolvanen A, Ross L, Era P. Quality of life (QOL) of older adult Community choral singers in Finland. Int Psychogeriatr. 2013, 25 (7): 1055-1064. Disponível em: doi:10.1017/S1041610213000422

Chiossi JSC, Roque FP, Goulart BNG, Chiari BM. Impacto das mudanças vocais e auditivas na qualidade de vida de idosos ativos. Ciência e saúde coletiva [online]. 2014, 19 (8): 3335-3342. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.07642013

Aquino FS, Silva MAA, Teles LCS, Ferreira LP. Características da voz falada de idosas com prática de canto coral. CoDAS. 2016, 28 (4): 446-453. Disponível em: DOI: 10.1590/2317-1782/20162015109

Lortie CL, Rivard J, Thibeault M, Tremblay P. The moderating effect of frequente singing on voice aging. J Voice. 2017, 31 (1): 112.e1-112.e12. Disponível em: doi: 10.1016/j.jvoice.2016.02.015

Kost KM, Sataloff RT. Voice disorders in the elderly. Clin Geriatr Med. 2018, 34 (2):191-203. Disponível em: doi: 10.1016/j.cger.2018.01.010

Davidson JW, McNamara B, Rosenwax L, Lange A, Jenkins S, Lewin G. Evaluating the potential of group singing to enhance the well-being of older people. Australas J Ageing. 2014, 33 (2): 99-104. Disponível em: doi: 10.1111/j.1741-6612.2012.00645.x

Confortin SC, Giehl MWC, Antes DL, Schneider IJC, d’Orsi E. Autopercepção positiva de saúde em idosos: estudo populacional no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2015, 31(5):1049-1060. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00132014

Borges AM, Santos G, Kummer JÁ, Fior L, Molin VA, Wibelinger LM. Autopercepção de saúde em idosos residentes em um município do interior do Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2014, 17(1):79-86.

Pagotto V, Bachion MM, Silveira EA. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica. 2013, 33(4):302-310.

Rigo L, Garbin RR, Rodrigues JLSA, Menezes-Júnior LR, Paranhos LR, Barelli C. Autopercepção da qualidade de saúde e satisfação de idosos acompanhados por equipe Estratégia Saúde da Família. Einstein. 2017, 15(4):428-34. Disponível em: DOI: 10.1590/S1679-45082017AO3972

Zanesco C, Bordin D, Santos CB, Müller EV, Fadel CB. Fatores que determinam a percepção negativa da saúde de idosos brasileiros. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2018, 21(3): 293-303. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562018021.170210

Veras R, Dutra S. Perfil do idoso brasileiro: questionário BOAS. UERJ, UNATI, 2008.

ABEP. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica do Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. 2018.

Fruchterman TMJ, Reingold EM. Graph Drawing by force-directed placement. SOFTWARE- PRACTIVE AND EXPERIENCE. Urbana-Champaign. 1991: 1129-1164. Disponível em: https://doi.org/10.1002/spe.4380211102

Vagetti GC, Moreira NB, Barbosa Filho VC, Oliveira V, Cancian CF, Mazzardo O, Campos W. Domínios da qualidade de vida associados à percepção de saúde: um estudo com idosas de um programa de atividade física em bairros de baixa renda de Curitiba, Paraná, Brasil. Ciênc. Saúde coletiva [online]. 2013, 18(12): 2483-3493.

Pinto JM, Neri AL. Trajetórias da participação social da velhice: uma revisão sistemática da literatura. Rev. Bras. Geriat. Geront. 2017, 20 (2): 260-273. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160077




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v9i3.7294

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000