Exames Preventivos Noturnos e Práticas de Educação em Saúde na Atenção Primária: Um Relato de Experiência

Raíra Kirlly Cavalcante Bezerra, Anne Rafaela de Sousa Ribeiro, Bruna Passos Vieira, Felipe Fabrício Farias da Silva, Rafaele Faustino da Silva de Souza, Deborah Leite de Abreu Souza, Candice Feitosa de Alencar Mendes

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência da realização de atividades noturnas voltadas à Saúde da Mulher, como coletas citopatológicas, exame clínico das mamas e promoção da saúde em usuárias do serviço público. Materiais e métodos: Trata-se de um relato de experiência realizado pela Residência Integrada em Saúde em um município do sertão central cearense, durante o período de agosto de 2018 a fevereiro de 2020. Resultados: Realizaram-se 250 coletas citopatológicas e exame clínico das mamas em mulheres, bem como atividades relacionadas à promoção de saúde. O público era composto, em grande maioria, por cooperadas, funcionárias públicas, cuidadoras, domésticas e trabalhadoras no período matutino e vespertino. Através da realização das atividades, foram proporcionados momentos de autocuidado e promoção de saúde ao público feminino que, por motivos laborais, não conseguiam acessar os serviços públicos no período diurno. Conclusão: Ficou claro que a construção de novas formas de fazer saúde no território é capaz de reduzir a demanda reprimida em mulheres em idade fértil em um serviço público de saúde.

 

Palavras-chaves: Saúde da Mulher; Câncer do Colo Uterino; Câncer de Mama; Educação em Saúde.


Palavras-chave


Saúde da Mulher; Câncer do Colo Uterino; Câncer de Mama; Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Atlas de Mortalidade por Câncer. Rio de Janeiro: Inca, 2013.

Zinhani MC et al. Prevenção de câncer de colo uterino e de mama num município do sul do país. Arq. Catarin Med. 2018;47(2):23-34.

World Health Organization. The World Health Organization's fight against cancer: strategies that prevent, cure and care. World Health Organization, 2007.

Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA, 2016.

Rouquayrol MZ, Goldbaum M, Santana EWP. Epidemiologia, história natural e prevenção de doenças. In: Rouquayrol MZ, Gurgel MCS, organizadores. Epidemiologia e saúde. 7.ed. Rio de Janeiro: Medbook; p.11-24, 2013.

Azevedo DB et al. Perfil das mulheres com câncer de mama. Rev enferm UFPE on line. 2017;11(6):2264-72.

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. Prevenção do câncer de mama. Rio de Janeiro: Inca, 2014.

Arruda RL et al. Prevenção do câncer de mama em mulheres atendidas em Unidade Básica de Saúde. Rev Rene. 2015;16(2):143-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama, 2. ed. – Brasília :Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Lopes MVL.Sobre estudos de casos e relatos de experiências. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2012;13(4).

Minayo MCS (org.). Pesquisa social. teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

Jorge MSB et al. Promoção da Saúde Mental - Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(7):3051-60.

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino ACS, Gomberg E. (Orgs.). Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: UFS, 2009.

Silva RM et al. Educação em saúde para prevenção do câncer de mama no município de Piripiri-PI: atuação do pet-saúde. R. Epidemiol. Control. Infec. 2015;5(4):203-05.

Gonçalves LLC et al. Mulheres portadoras de câncer de mama: conhecimento e acesso às medidas de detecção precoce. Rev Enferm UERJ. 2009;17(3):362-367.

Nascimento TG, Silva SR, Machado ARM. Autoexame de mama: significado para pacientes em tratamento quimioterápico. Rev Bras Enferm. 2009;62(4):557-561.

Souza K et al. Educação popular como instrumento participativo para a prevenção do câncer ginecológico: percepção de mulheres. Rev Cuid. 2015;6(1):892-899.

Romero LS, Shimocomaqui GB, Medeiros ABR. Intervenção na prevenção e controle de câncer de colo uterino e mama numa unidade básica de saúde do nordeste do Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-9.

Bezerra RKC, Alves AMCV. A importância do trabalho da equipe multiprofissional na estratégia Saúde da Família e seus principais desafios. Rev. Expr. Catól. Saúde. 2019; 4(2):7-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v9i3.7640

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000