A violência obstétrica e os desafios de se promover políticas públicas de saúde efetivas

Sérgio Adriany Santos Moreira, Patrícia Peterli Partichelli, Adriana Aparecida Oliveira Bazani

Resumo


Com o objetivo de analisar a apropriação do parto pelo poder médico e sua relação com a prática da Violência Obstétrica em hospitais e maternidades, foi realizado um estudo de natureza qualitativa que procurou discutir como o tema da Violência Obstétrica vem sendo abordado por diversos autores na literatura, bem como sua exposição em documentos oficiais do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro e relatos de mulheres violentadas. Foi abordada a figura da mulher como mãe, as relações de poder entre equipes médicas e parturientes, a Violência Obstétrica praticada no âmbito de hospitais e maternidades e as políticas públicas de saúde para um parto humanizado. Fazem-se necessários estudos complementares que objetivem criar metodologias para a construção de políticas públicas focadas na gestão em saúde, com intuito de promover uma reflexão a respeito da universalização do atendimento.


Palavras-chave


Violência Obstétrica; Políticas Públicas de Saúde; Parto Humanizado; Gestão em Saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i41.4822

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex