Os povos indígenas e o Estado brasileiro: reflexões sobre o conceito de desenvolvimento e as propostas do bem viver

Leonardo Agrello Madruga

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir algumas das violências sofridas pelos povos indígenas no Brasil, argumentando sua ocorrência, sobretudo, pela lógica do desenvolvimento capitalista, consolidada internacionalmente durante o século XX, a qual vem sendo sustentada pelo Estado brasileiro e suas ações que se dão em prejuízo dessa parte da população. Em primeiro momento, aborda-se, brevemente, a construção do conceito de desenvolvimento sob o seio do capitalismo no decorrer do século mencionado e, portanto, os elementos basilares que passariam a guiar sua persecução. Logo após, faz-se uma análise sobre as práticas, no Brasil, em nome desse desenvolvimento, sejam elas patrocinadas diretamente pelo Estado ou de iniciativas privadas com sua transigência, e como elas têm impactado os povos indígenas que vivem no território do país. Ao fim, são apresentados os conceitos que envolvem e fundamentam a ideia do “Bem Viver”, promovendo algumas reflexões acerca de suas propostas e como impactam ou ajudam a pensar a situação dos povos indígenas no Brasil.

Palavras-chave


Povos indígenas; Desenvolvimento; Bem Viver

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i41.5223

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex