Distribuição espacial da mortalidade por diabetes no Brasil

Marilane Vilela Marques, Samara Sybelle de Araújo Nobre Santos, Mirna Vasconcelos de Lima, Marisa Karina de Miranda Matos, Sônia Maria Pereira, Ana Edimilda Amador

Resumo


OBJETIVO: Analisar a distribuição espacial das taxas de mortalidade por diabetes no Brasil. MÉTODOS: Estudo ecológico com municípios do Brasil, no período de 2012 a 2016. Analisou-se a distribuição espacial, a intensidade e a significância através do índice de Moran Global, MoranMap, LisaMap e BoxMap. RESULTADOS: No período estudado houve 293.752 óbitos por Diabetes, destes 162.743 (55,40%) são do sexo feminino; 237.428 óbitos (80,83%) com idade de 60 anos e mais; 49,56% para brancos e amarelos; 36,32% são casados; 67,77% ocorreram no hospital. Os municípios que apresentaram as maiores taxas médias de mortalidade padronizadas foram: Junco do Maranhão – MA (142,14 óbitos/100 mil hab.), Brejinho – PE (128,88), Brejo de Areia – MA (127,64), Xexéu – PE (123,96), Malhada dos Bois – SE (118,41), Jaqueira – PE (115,96) e Arara – PB (104,78). O valor do Índice de Moran Global foi positivo e com significância estatística (p-valor=0.01). Evidenciou-se formação de clúster de alto/alto em municípios das regiões norte, nordeste, sudeste e centro-oeste, enquanto que foi verificada a presença de clúster de baixo/baixo na região sul país. CONCLUSÕES: Existe no Brasil um padrão de dependência espacial na distribuição das taxas de mortalidade por Diabetes.


Palavras-chave


Mortalidade; Diabetes; Distribuição Espacial.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v8i3.6135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2317-8582

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000