Uma análise da cidadania biológica em documentos das políticas públicas de saúde e saúde mental brasileira

Vitória Rosa Cougo, Marcos Adegas Azambuja

Resumo


Este artigo objetiva mapear as condições históricas brasileiras para a emergência de uma cidadania que se constitui pela reivindicação dos seus direitos por meio de processos biológicos. Com arqueogenealogia foucaultiana, analisa os conceitos de saúde e saúde mental em documentos de políticas públicas no Brasil que contrastam com a história de práticas eugênicas. Percebe-se que as formas com que biologia e política passam a ser agenciadas transformam alterações, déficits e anormalidades biológicas em práticas de reivindicação de direitos e em objeto de mercado na saúde.


Palavras-chave


Cidadania; Eugenia; Saúde; Saúde Mental.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/2238-9024.16.38

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex