“História sob vigilância”: estudos da memória e a pedagogia de ensino dos traumas coletivos

Alana de Moraes Leite, Karl Schurster Veríssimo de Sousa Leão

Resumo


O presente artigo tem como objetivo central analisar os estudos da memória enquanto fonte histórica e de sua urgência no tempo presente. Para tal, construímos uma divisão dos estudos da memória em três eixos centrais: o primeiro, a partir da década de 1980, com a republicação da obra Memória coletiva de Maurice Halbwachs e a primeira publicação de Os lugares da memória de Pierre Norra; o segundo e terceiro eixo, inscritos em um mesmo contexto, referem-se aos estudos das políticas da memória e globalização da memória da Shoah, amplamente difundido por Andreas Huyssen, e a problematização em torno do conceito de pós memória, cunhado por Marianne Hirsch. Discutimos a pedagogia de dois museus preocupados com a História da Shoah: o Yad Vashem, de Israel, e o United States Holocaust Memorial Museum. É possível perceber que na década de 1990 a cultura de memória ganha uma dimensão política de comemorações, o que nos leva a intensas discussões acerca do papel desse evento no regime de historicidade contemporâneo e, por conseguinte, no tempo presente.


Palavras-chave


Memória; Ensino de Traumas Coletivos; Shoah.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i45.5993

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex