O ensino de gênero na universidade: diretrizes ou militância?

Simone Reis Nunes, Graziela Cucchiarelli Werba

Resumo


Os dados oficiais dão conta de que as políticas públicas de gênero efetivaram-se no Brasil a partir de 2003. No Rio Grande do Sul, tem sido o atual governo o mais atuante e que provocou maiores mudanças nessa área. Como docentes do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Torres e militantes no enfrentamento das diferenças de gênero, decidimos investigar o que tem sido feito no âmbito do ensino de gênero nas universidades. Questionamo-nos sobre as diretrizes da educação, e o quanto elas contemplam a discussão e reflexão sobre o tema gênero entre alunos e alunas de cursos superiores. Nossa intenção, com este trabalho, é ir além da investigação, pensando estratégias para que o ensino de gênero nas universidades seja uma realidade possível e que promova a dialogicidade do espaço acadêmico com o espaço social comunitário. Diálogo este que se propõe através do Projeto de Extensão Universitária Cinderela Está Tendo Ideias, que utiliza o teatro como ferramenta para o ensino e discussão de gênero entre alunos, alunas e comunidade. Ao longo do trabalho, apresentamos o projeto e fazemos a discussão desta matéria através de uma pesquisa-ação, amparada pelas Teorias de Gênero e da Psicologia Social Histórico-Crítica.

 


Palavras-chave


Ensino de Gênero; Teatro; Educação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/2238-9024.15.6

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex