Discriminação, preconceito e dominação: A luta das mulheres por mais espaço e representação na sociedade brasileira

Luana Inês Damke, Cristina Anita Cassol, Clandia Maffini Gomes

Resumo


O presente estudo traz uma abordagem sobre o trabalho das mulheres e as relações de gênero na agricultura familiar e tem por objetivo abordar e discutir alguns pontos relativos a evolução do trabalho feminino, a discriminação, preconceito e dominação sofridos por elas nas relações sociais e de trabalho. A partir de tudo o que é visto e abordado, é possível afirmar que a mulher, há muito tempo foi condicionada e submetida a ocupar posições secundárias em casa e na sociedade. Primeiramente pela força, e depois, por meios mais sutis como a criação de leis e toda uma cultura machista e patriarcal. Embora tenham ocorrido avanços significativos na conquista de espaços políticos de expressão e reconhecimento, na possibilidade de acesso à educação, na capacidade de desempenho profissional das mulheres, impasses relativos ao trabalho doméstico ainda são questões cruciais a serem resolvidas.

Palavras-chave


Trabalho; Mulheres; Machismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, D. B. Trabalho, educação e conhecimento na enfermagem: uma contribuição aos estudos sobre a força de trabalho feminina. Salvador: Dankat, 1997.

ALVESSON, M.; BILLING, Y. D. Understanding gender in organizations. London: Sage, 1997.

BANDEIRA, L. M. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Soc. estado, v. 29, n. 2, p. 449 ¬ 469, 2014.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 11ª edição. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à violência contra as mulheres, Brasília, 2011.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007.

CAPPELLE, M. C. A.; MELO, M. C. O. L. Mulheres policiais, relações de poder e de gênero na Polícia Militar de Minas Gerais. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 3, 2010.

DARON, V. L. P. Um grito lilás: cartografia da violência às mulheres do campo e da floresta. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2009.

DIAS, M. B. A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 2. tir. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

DOS SANTOS, N. A. A divisão sexual do trabalho na agricultura familiar: entre a invisibilidade e a desvalorização do trabalho (re) produtivo de mulheres trabalhadoras rurais do município de Brejo/MA frente à expansão da monocultura de soja. Revista de Políticas Públicas, 2016.

HALL, C. Ergue-se a Cortina. Sweet home. In: PERROT, M. org. História da vida privada: da revolução francesa à primeira guerra. São Paulo: Cia de bolso, 2009.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão. In: BRUSCHINI, et al. Mercado de Trabalho e Gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro, FGV, 2008.

LEMOS, S. T. F. et al. O trabalho das mulheres da agricultura familiar à indústria. Anais da VII JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS (2016). Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/mesas/o-trabalho-das-mulheres-da-agricultura-familiar-a-industria-capitalista-contemporanea.pdf. Acesso em 10 de jul. 2017.

MOR BARAK, M. E. Managing diversity: toward a globally inclusive workplace. Thousand Oak: Sage Publications. 2005.

NASCIMENTO, R. B. A dominação masculina nas profissões jurídicas–uma análise bourdieusiana. 2013. Disponível em: http://www.conteudojuridico.com.br/pdf/cj056645.pdf. Acesso em 01 de jul. 2017.

NASCIMENTO, S. M. V. A reprodução do campesinato em Brejo (MA) e a participação das agricultoras familiares camponesas frente à expansão da monocultura de soja: duas lógicas de desenvolvimento. Programa de Pós-graduação em políticas públicas/ UFMA. São Luís, 2011. (Tese de doutorado).

NOGUEIRA, J. M. O. A instituição da família em cidade antiga. In: WOLKMER, A. C. org. Fundamentos de história do direito. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

PERROT, M. Os atores. À margem: solteiros e solitários. In: PERROT, M. org. História da vida privada: da revolução francesa à primeira guerra. São Paulo: Cia de bolso, 2009.

SAFIOTTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes - mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFIOTTI, H. I. B. O Poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação. ANPED Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 2002.

SILVA, E; DIMENSTEIN, M.; DANTAS, C. Violência Contra a Mulher em um Assentamento Rural de Reforma Agrária do Nordeste Brasileiro. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 9, n. 1, p. 88­106, 2018. ISSN 2177­ 2886, 2018.

SILVA, S. G. da. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicol. cienc. prof., v. 30, n. 3, p. 556 ­ 571, 2010.

SUNG, J. M.; SILVA, J. C. Ética e relações de gênero: conversando sobre ética e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1995.

TEDESCHI, L. A. Meu nome é “ajuda”: A vida cotidiana e as relações de poder, gênero e trabalho das mulheres trabalhadoras rurais na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. In: Contexto e Educação. Editora UNIJUI. Ano 19 – n. 71/72 – Jan./Dez. 2004. P.45-64.

TELES, M. A. A.; MELO, M. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003.

YAMAMOTO, C. T. A evolução dos direitos das mulheres até a criação da Lei n. 11.340/2006. Portal Boletim Júridico, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/dialogo.v0i40.4926

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2238-9024

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000

 

Indexadores

DiadorimLatindex