O PROFESSOR DA LÍNGUA PORTUGUESA E O PROCESSO DE LETRAMENTO: O CASO DA GUINÉ BISSAU

Mamadu Mutaro Embaló, Veronice Camargo da Silva, Sita Mara Lopes Sant’ Anna

Resumo


Este estudo apresenta investigação, visando saber como as atividades de leitura trabalhadas na sala de aula por professores da Língua Portuguesa das escolas pesquisadas na Guiné Bissau, promovem o letramento e justifica-se pela importância de assumir o letramento como objetivo no contexto escolar, adotando, na alfabetização, uma concepção social da leitura e escrita. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que, de acordo com os objetivos, abrangeu as etapas exploratória e descritiva, cujos dados, com base na pesquisa semiestruturada, foram coletados, através de um questionário on-line, contendo uma parte fechada e outra, aberta. Como principais resultados, constata-se que, apesar de os professores utilizarem diferentes estratégias de leitura e, também, pautarem-se pela concepção de leitura com foco no leitor, as atividades de leitura trabalhadas nas suas aulas promovem o modelo de letramento autônomo que enfatiza a aquisição e uso de escrita como habilidade, independentemente, do contexto social, em detrimento do modelo de letramento ideológico que enfatiza práticas sociais concretas de leitura e escrita. 


Palavras-chave


Educação

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução: Maria Ermantina Galvão G. Pereira. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARTON, D. Literacy: an introduction to ecology of written language. Oxford: Blackwell Publishing, 2007.

BRÄKLING, K. L. Sobre a leitura e a formação de leitores. São Paulo: SEE; Fundação Vanzolini, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CANTALICE, Lucicleide Maria de. Ensino de estratégias de Leitura. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 8, n.1, Jun. 2004. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572004000100014#nt1a> Acesso: 16 fev. 2017

DIAS, L. R. Gêneros Textuais para a Produção de Textos Escritos no Livro Didático. Anais do SIELP, Uberlândia, v. 2, n. 1, 2012. p.1-20. Disponível em: < http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/wp-content/uploads/2014/07/volume_2_artigo_166.pdf >. Acesso: 17 jan. 2017.

DIELH, A. A.; TATIM, D. C. Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas: Métodos e Técnica. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. 29. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GALVÃO, A. M. O. Leitura silenciosa. [2016?]. Disponível em: < http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/leitura-silenciosa>. Acesso em: 9 fev. 2017.

GEE, J. P. Situated language and learning: a critique of traditional schooling. London: Routdlege, 2004.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

______. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HEATH, S. B. What no bedtime story means: narrative skills at home and school. In: DURANTI, A. (Org.). Linguistic anthropology: a reader. Oxford: Blackwel, 2001.

HISTÓRIA e Cultura da Guiné-Bissau: História. [2016?]. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2017.

HUBES, T. C. C.; CHOPTIAN, L. I. Concepções de Leitura: análise de atividades de um livro didático de língua portuguesa. Revista Educação e Linguagens, Campo Mourão, v. 3, n. 5, jul./dez. 2014.

KLEIMAN, A. B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In:______. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

______. O conceito de letramento e suas implicações para a alfabetização: Projeto Temático Letramento do Professor. São Paulo: UNICAMP, 2007. Disponível em: < http://www.letramento.iel.unicamp.br/publicacoes/artigos/Letramento_AngelaKleiman.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2016.

______. Leitura: ensino e pesquisa. 2. ed. Campinas: Pontes, 2001.

______. Os significados do letramento. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

KOCH, I. V. ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2007.

LAJOLO, M. O texto não é pretexto. In: ZILBERMAN, Regina (Org.). Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos da Metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

LEFFA, V. J. Aspectos da leitura: Uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: Sagra: DC Luzzatto, 1996.

LEITURA e Produção do Texto. Leitura Inferencial: O que são inferências? [2016]. Disponível em: < http://www2.anhembi.br/html/ead01/lpt_1/lu07/lo01/index.htm>. Acesso em: 9 fev. 2017.

LOIS, L. Teoria e prática da formação do leitor: leitura e literatura na sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MANGUEL, A. No bosque do espelho: ensaios sobre as palavras e o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MARCUSCHI, L. A. Produção de texto, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MENEGASSI, R. J. Perguntas de leitura. In: _____. Leitura e ensino. Maringá: Eduem, 2010.

OLIVEIRA, D. M. Análise crítica do discurso e letramento crítico: relação entre discurso, poder e construção de identidades nas práticas de letramento escolar. UFS – Itabaiana/SE, Brasil: V fórum identidades e alteridades I congresso nacional educação e diversidade, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

PERINI, M. A. A leitura funcional e a dupla função do texto didático. In: ZILBERMAN, R.; SILVA, E. T. (Org.). Leitura: Perspectivas interdisciplinares 2. ed. São Paulo: Ática, 1991, p. 78-99.

PRIMO, A. M.; SANTOS, G. N. Abordagem de Gêneros Textuais no Ensino de Língua Portuguesa para Ensino Fundamental. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência –Pibib / Capes – Ufg - Subprojeto: letras – português. 2011. Disponível em: < http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/pibid/trabalhos-pibid/pibid-amanda-moreira.pdf >. Acesso em: 10 jan. 2017.

PULLIN, E. M. M. P.; MOREIRA, L. S. G. Prescrição de leitura na escola e formação de leitores. Revista Ciências & Cognição, v. 13, n. 3, 10 de dezembro de 2008. p.231-242.

SCRIBNER, S.; COLE, M. The psychology of literacy. Massachusetts: Harvard University Press, 1981.

SILVA, E. T. Formação de Leitores Literários. In: SANTOS, Fabiano dos et al (org.). Mediação de leitura: discussão e alternativas para a formação de leitores. São Paulo: Globo, 2009.

______. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo: Cortez, 1981.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

______. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, Vera Masagão (org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global Editora, 2013.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artes médicas, 1998.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

______. Literacy in theory and practice. Cambridge: CUP, 1984.

STREET, B. V. What´s “new” in New Literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, New York, v. 5, n. 2, p. 77-91, may 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2007.

______. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

STREET, B.; LEFSTEIN, A. Literacy: an advanced resource book. London; New York: Routledge, 2007.

TEXTO Informativo. c2017. Disponível em: < https://www.normaculta.com.br/texto-informativo/>. Acesso em: 13 fev. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i2.4396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000