Narrativas Autobiográficas da Professora Negra Maria Helena Vargas da Silveira: formação e prática docente no livro “É Fogo!”

Maria Angélica Zubaran, Rodrigo Lemos Simões, Cristina Gamino Gomes Tonial

Resumo


Este artigo analisa as narrativas autobiográficas da professora negra Maria Helena Vargas da Silveira, no seu primeiro livro “É Fogo”. O objetivo central da análise é, primeiramente, investigar os significados e sentidos que o narrador e a personagem principal, Maria, atribuem às suas experiências de formação e docência no Rio Grande do Sul, entre as décadas de 1940 e 1980. Em segundo lugar, pretende-se mapear e problematizar a intersecção de representações sobre classe, gênero e raça na forma como narrador e personagem principal constroem suas identidades e seus lugares de fala. Em termos teórico-metodológicos, trata-se de uma análise cultural, na perspectiva teórica dos Estudos Culturais em Educação, em que se discutem os conceitos de representação, gênero e raça, a partir de autores como Stuart Hall, Guacira Louro, Marisa Vorraber Costa, Rosa Hessel da Silveira, Gládis Kaercher e Djamila Ribeiro, entre outros. Desta forma, pretende-se contribuir para a desconstrução de representações homogêneas sobre formação e docência e para dar visibilidade às narrativas autobiográficas de professoras negras, que de forma geral têm sido historicamente silenciadas e desautorizadas nas narrativas literárias hegemônicas e na História da Educação. Entre os resultados da análise destaca-se o entrelaçamento da trajetória da personagem principal, Maria, particularmente de suas experiências de formação e prática docente, com o contexto da História da Educação no Rio Grande do Sul. Na direção apontada por outros autores, salienta-se também a interseccionalidade das categorias de classe, gênero e raça nas narrativas autobiográficas desta professora negra, tanto na forma como constrói e dá sentido às suas vivências, na perspectiva individual, de uma escrita de si, assim como, na perspectiva social, das suas relações com às outras identidades que marcaram suas trajetórias de formação e docência. 


Palavras-chave


Narrativas Autobiográficas; Professora Negra; Representações; Formação; Docência

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisa (auto)biográfica: tempo, memória e narrativas. In: ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 201-224.

_________. Profissionalização docente e identidade – a invenção de si. Educação. Porto Alegre/RS, número especial, 2007, p. 163-185.

AMARAL, Giana Lange e LOUZADA, Maria Cristina dos Santos. Memórias de Normalistas: Uma reflexão sobre a formação de professoras primárias nas décadas de 1950 e 1960, Momento, vol.25, n.2, p.145-158, jul/dez.2016.

CALDWELL, Kia Lilly. Fronteiras da Diferença: Raça e Mulher no Brasil. Revista Estudos Feministas, volume 8, nº 2. 2000.

ESCOBAR, Giane Vargas. Clubes Sociais Negros: lugares de memória, resistência negra, patrimônio e potencial. Dissertação, Mestrado em Patrimônio Cultural, Universidade Federal de Santa Maria, 2010.

EVARISTO, Conceição. Gênero e Etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: Nazilda Martins de Barros Moreira & Liane Schneider (Orgs). Mulheres do Mundo: Etnia, Marginalidade e Diáspora. João Pessoa: UFPB, Ideia/Editora Universitária, 2005.

_________. Da representação à auto representação da mulher negra brasileira na literatura. Revista Palmares: cultura afro-brasileira, Brasília, ano 1, nº 1, ago. 2005, 9-13.

FISCHER, Beatriz T. Daudt. (Org). Tempos de Escola: Memórias. Vol. II. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber, 2011.

HALL, Stuart. A questão multicultural. In: Liv Sovik (Org). Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

__________Cultura e Representação. Daniel Miranda e William Oliveira, tradução. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

JOSSO, Marie-Christine. Prefácio. In: SOUZA, E. C.; MENNA-BARRETO, M. H. (Org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

KAERCHER, Gládis. As representações do/a professor/a negro/a na literatura infanto-juvenil ou sobre os fluxos das águas... In: SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LEJEUNE, Philippe. O Pacto Autobiográfico: De Rosseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, 46, 2007, 201-218.

_______Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Meyer, Dagmar E. Etnia, raça e nação: o currículo e a construção de fronteiras e posições sociais. In Marisa Vorraber Costa (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro, RJ: DP&A. 2001, 69-84.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio, Maria Helena Camara Bastos e Maria Teresa Santos Cunha. Tecendo Educação, História, Escrita Autobiográfica. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio, Maria Helena Camara Bastos e Maria Teresa Santos Cunha (Orgs). Refúgios do Eu: educação, história, escrita autobiográfica. Editora Mulheres, Florianópolis, 2000.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio e Maria Teresa Santos Cunha (Orgs). Práticas de Memória Docente. São Paulo: Cortez, 2003.

RIBEIRO, Djamila. O Que É Lugar De Fala? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2017.

SILVA, Fernanda Oliveira da. Os negros, a constituição de espaços para os seus e o entrelaçamento desses espaços: associações e identidades negras em Pelotas (1870-1943). Dissertação, Mestrado em História, Pontifícia Universidade Católica/RS, 2011.

_______ . As lutas políticas nos clubes negros: culturas negras, cidadania e racialização na fronteira Brasil-Uruguai no pós-abolição (1870-1960) Tese, Doutorado em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. Apresentação. In: SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SILVEIRA, Maria Helena Vargas da. É Fogo. Porto Alegre, M. H. da Silveira, 1987.

STHEPHANOU, Maria. Nem uma coisa, nem outra ou nenhuma. (Re)invenções e reminiscências escolares. A modo de prefácio. In: FISCHER, Beatriz T. Daudt. (Org). Tempos de Escola: Memórias. Vol. II. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber, 2011.

PINEAU, Gaston. As histórias de vida como artes formadoras da existência. In: SOUZA, Elizeu Clementino de; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.). Tempos, Narrativas e Ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006.

VIÑAO, Antonio. A modo de prologo. Refúgios del yo, refúgios de otros. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio, Maria Helena Camara Bastos e Maria Teresa Santos Cunha (orgs). Refúgios do Eu: educação, história, escrita autobiográfica. Editora Mulheres, Florianópolis, 2000.

ZUBARAN, Maria Angélica e Juliana Vargas. Pedagogias das boas maneiras: formando cidadãos civilizados e higiênicos. Hist. Educ. (Online) Porto Alegre v. 22 n. 54 jan./abr. 2018 p. 280-298.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i1.4503

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000