Relações de gênero e a feminização da profissão docente: reflexões sobre a divisão sexual do trabalho

Lauren Antunes, Aline Accorssi

Resumo


As mulheres, ao longo da história, vêm ampliando sua presença nas diferentes profissões e lugares sociais, bem como a participação nas decisões políticas e econômicas na sociedade. Em alguns campos, como a Educação Básica, elas têm sido a maioria, tanto na atuação no magistério, como na formação docente de tais profissionais. Esse fenômeno é denominado como feminização e é caracterizado pela ocupação majoritária das mulheres em uma determinada profissão. No presente artigo, procura-se discutir o processo de feminização do magistério. Para isso, buscamos compreender a divisão sexual e social do trabalho, a separação do público e do privado e, a partir disso, analisar as motivações e fatores que levaram as mulheres a saírem do ambiente doméstico e familiar para ocuparem espaços públicos. Para isso, desenvolveu-se um ensaio teórico, tendo como estratégia metodológica a abordagem de revisão narrativa. Conclui-se que a profissão docente surgiu como uma possibilidade, por vezes a única, de migração das mulheres do espaço privado para o público, o que contribuiu para a feminização da profissão. Com a associação da profissão ao trabalho reprodutivo domiciliar, estendeu-se a desvalorização da educação pelo próprio Estado, o qual apresenta e reforça traços da divisão sexual do trabalho entre as categorias profissionais.

 


Palavras-chave


Feminização Docente; Gênero; Divisão Sexual do Trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i3.5425

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000