Docência masculina na Educação Infantil: percepções de pedagogos egressos do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Amazonas

Márcio de Oliveira, Marinês Viana de Souza, Jefferson Araújo do Nascimento

Resumo


É perceptível que o corpo docente da Educação Infantil, no Brasil, é composto – em sua maioria – por profissionais do gênero feminino. A partir dessa premissa, o presente trabalho tem por objetivo identificar e analisar os desafios e as possibilidades encontradas pelos egressos do gênero masculino do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) em sua inserção no campo profissional em relação à docência na Educação Infantil. Para atingir os objetivos propostos, buscamos utilizar a pesquisa bibliográfica, a pesquisa documental e de campo, de caráter exploratório e de cunho qualitativo. Ela contou com uma amostra de doze alunos egressos, na qual se observou o reconhecimento do papel dos homens na Educação Infantil por parte dos mesmos, porém, devido à falta de oportunidades, com forte predomínio do preconceito, a atuação profissional de homens nessa etapa tem sido mínima. Mesmo não havendo leis específicas que garantam que apenas mulheres tenham prioridade em lecionar na Educação Infantil, nos processos seletivos observa-se a preferência por elas. Portanto, as percepções dos egressos do curso de Pedagogia convergem para o fato de que eles tiveram dificuldade na inserção no campo profissional, fazendo com que muitos nem tentem atuar, em função da cultura construída, que mescla preconceito e desconfiança e reforça a naturalização do papel profissional feminino nessa etapa da Educação Básica.


Palavras-chave


Docência; Educação Infantil; Gênero; Pedagogia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v25i3.6589

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000