O professor na perspectiva de Vigotski: uma concepção para orientar a formação de professores

Sônia Regina dos Santos Teixeira, Ana Paula de Araújo Barca

Resumo


Este artigo apresenta e discute as proposições originais de Vigotski acerca do papel do professor, sinalizando implicações de tais proposições para a formação de professores. Para tanto, analisa dados de uma pesquisa empírica realizada com cinco professoras de educação infantil que participaram de um curso de formação continuada, que teve a teoria histórico-cultural como principal fundamento. Os resultados demonstram que as professoras, inicialmente, tiveram dificuldades para internalizar a concepção do professor como o organizador do meio social educativo, tal como propõe Vigotski, mas ao ampliarem tal compreensão, passaram a planejar, executar, avaliar e redimensionar o trabalho realizado, atuando como intelectuais de suas próprias práticas. Conclui-se que a concepção de professor esboçada por Vigotski pode contribuir para orientar a formação dos professores na perspectiva de uma educação crítica e emancipatória.

Palavras-chave: Formação de professores. Teoria histórico-cultural. Papel do professor.

 


Palavras-chave


Formação de professores.;Teoria histórico-cultural; Papel do professor.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli. Pesquisas em formação de professores: contribuições para a prática docente. In: PINHO, Sheila Zambello (Org). Formação de professores: o papel do educador e sua formação. São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 241-255.

DELARI JR., Achilles. Vigotski e a prática do psicólogo: em percurso da psicologia geral à aplicada. Umuarama, - PR, 2009, Mimeo, 40 p. (2ª versão).

______. Questões de método em Vigotski: condições para a pesquisa em psicologia e educação. In: Apresentação em Powerpoint. I Congresso Internacional sobre a Teoria Histórico-Cultural. UNESP Marília - SP, 2012.

_______. Dialética da psicologia e dialética do humano como seu objeto – Em diálogo com a história da psicologia. Curitiba (PR): Coletivo Eras e Dias, 2017. Mimeo. 5 p.

DINIZ, Diana Costa; LIMA, Francisca das Chagas Silva. Para além da desintelectualização do pedagogo: uma crítica ao recuo da teoria na formação docente. Revista Eletrônica Arma da Crítica, Ano 2, nº 2, março. 2010.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade. Campinas, SP, v. 28, n.100, p. 1203-1230, out. 2007.

_______. PNE e formação de professores: contradições e desafios. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-446, jul./dez. 2014.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade. Campinas, SP, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.

GATTI, Bernadeth Angelina. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade. Campinas, SP, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.

KEILER, P. “Cultural-historical theory” and “Cultural-historical school”: from myth (back) to reality. PsyAnima, Dubna Psychological Journal, Vol. 5, n. 1, 2012, p. 1-33.

MARTINS, Lígia Márcia. O legado do século XX para a formação de professores. In: MARTINS, Lígia Márcia e DUARTE, Newton. (Orgs.) Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Cultura Autêntica, 2010.

MAUÉS, Olgaíses Cabral. Regulação educacional, formação e trabalho docente. Estudos em Avaliação Educacional, v. 20, n. 44, p. 473-492. 2009.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬_______; CAMARGO, Arlete Maria Monte de. Marcos regulatórios nas políticas de formação e valorização docente pós-LDB. Revista Educação em Questão, Natal, v. 42, n. 28, p. 149-174, jan./abr. 2012.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em Educação. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 14, n. 1, p.7-25. 2001.

________; SOARES, Kátia Cristina Dambiski. Cenas empobrecidas do conhecimento e do trabalho docentes. Revista Educação, Porto Alegre: RS, ano 28, n. 2 (56), p. 265-281, maio/ago. 2005

PRESTES, Zoia Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012a.

_______. L. S. Vigotski: algumas perguntas, possíveis respostas. In: VAZ, Alexandre Fernandes; MOMM, Caroline Machado (Orgs.). Educação infantil e sociedade: questões contemporâneas. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012b, p 57-71.

TEIXEIRA, Sônia Regina dos Santos; MELLO, Suely Amaral. Formação de Professores: uma teoria para orientar as práticas. In: CORRÊA, Carlos Humberto Alves; PESSOA, Lucíola Inês; BISSOLI, Michelle de Freitas (Orgs). Formação de professores em perspectiva. Manaus: Edua, 2016, p. 85-108.

TULESKI, Silvana Calvo. Vygotski: a construção de uma psicologia marxista. Maringá, PR: EDUEM, 2008.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Prólogo a la versión russa del libro de E. Thorndike: Principios enseñanza basados a la psicología. In: VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Obras Escogidas. Tomo I. Madrid: Visor y Ministerio de Educación y Ciencia, 1926/1997, p. 143-162.

_______. El significado historico de lacrisis de lapsicología: una investigación metodológica. In: Obras Escogidas. Tomo I. Madrid: Visor y Ministerio de Educación y Ciencia, 1927/1991, p. 259-407.

_______. O manuscrito de 1929: Temas sobre a constituição cultural do homem. Educação & Sociedade: Campinas, v. 21, n. 71, 1929/2000.

_______. Conclusiones. Futuras vías de investigación. Desarrollo de la personalidad del niño y de su concepción del mundo. In: Obras Escogidas. Tomo III. Madrid: Visor: 1931/2000, p. 327-340.

_______. Problemas de la psicología infantil. In: Obras escogidas. Tomo IV. Madrid: Editora Visor. 1932-1933/1996, p. 249-386.

______. Interação entre aprendizado e desenvolvimento. In: A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1935/1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i1.4584

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000