Relações de gênero e diversidade sexual na escola: a docência na minimização de preconceitos em tempos de “ideologia de gênero”

Adan Renê Pereira da Silva, André Luiz Machado das Neves, Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas

Resumo


O debate atual sobre gênero e diversidade sexual em muito acena para a leitura que a sociedade faz das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais (LGBT). Em tempos de avanço do conservadorismo e de “ideologia de gênero” como categoria de pânico moral, busca-se, com foco em um estudo de caso, cujos dados foram obtidos por intermédio de uma entrevista semiestruturada, discutir o desafio docente frente a estas disputas e controvérsias, para a realização de práticas de educação voltadas às diversidades de gênero e sexual na escola. Como principais resultados, pôde-se perceber o prejuízo causado pelo pensamento conservador ao trabalho docente que pretenda discutir gênero e sexualidade. Por intermédio da resistência oferecida por pais e mães, pelos/as próprios/as colegas de trabalho, a escola acaba por não cumprir sua função de acolher a todos e todas, já que professores e professoras são pensados como instrutores/as e não como docentes, prejudicando a criticidade que deve permear os processos de ensino-aprendizagem pertinentes ao ambiente escolar. Neste viés, os cursos de formação (inicial e/ou continuada) podem funcionar como instrumentos para professores e professoras repensarem suas práticas, desenvolvendo o pensamento crítico e gestando uma escola também mais crítica e pautada na cidadania e nos direitos humanos, fazendo com que os/as docentes se tornem agentes da transformação social enquanto meio de combate ao ideal conservador. 


Palavras-chave


“Ideologia de Gênero”; Formação de Professores/as; Conservadorismo; Diversidade Sexual e de Gênero.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i3.5507

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000