A terapia filosófica wittgensteiniana: perspectivas para a Educação Matemática

Marisa Rosâni Abreu da Silveira, Paulo Vilhena da Silva, Valdomiro Pinheiro Teixeira Júnior

Resumo


Esse texto propõe apontar como a terapia filosófica, proposta por L. Wittgenstein, pode trazer à luz algumas questões que são objetos de debate na Educação Matemática. A terapia wittgensteiniana busca livrar-nos do “enfeitiçamento” causado pela busca de essências que expliquem o que é um dado conceito, reflexo da adoção de uma concepção referencial de linguagem. Ao negar os fundamentos últimos, paramos de buscar descobrir o que tal conceito é e passamos a procurar enxergar como esse conceito é usado na linguagem ordinária. Essa mudança de perspectiva nos permite questionar algumas teorias pedagógicas vigentes, que se debruçam sobre o ensino da matemática, que buscam significados para os objetos matemáticos fora de sua linguagem, seja num mundo empírico, seja num mental. Para tanto, buscaremos esclarecer o conceito de terapia wittgensteiniana, discutiremos o papel das regras e técnicas em habilidades linguísticas, como a compreensão, para então discutir sobre a importância de dominar tais regras para um aprendizado exitoso em matemática.

Palavras-chave


Essência; Terapia Wittgensteiniana; Jogos de Linguagem; Domínio de Técnicas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v23i1.4247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000