FORMAÇÃO INICIAL EM PEDAGOGIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM HISTÓRICO-CRÍTICA DO CURRÍCULO

LEANDRO DOS SANTOS, EDITE MARIA SUDBRACK, Carlos Erick Brito de Sousa

Resumo


As Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Licenciatura em Pedagogia não impõem necessariamente a inclusão de uma disciplina específica para a Educação Ambiental, mas apontam que os cursos devem formar seus alunos para a consciência da diversidade de natureza ambiental-ecológica. Assim, objetivamos através de uma revisão bibliográfica, dialogar sobre a Educação Ambiental na formação inicial em Pedagogia, com base na Pedagogia Histórico-crítica, ressaltando a importância do processo de escolha do conteúdo existente no currículo para uma possível prática mais humanizada no exercício do magistério. Sobre o crivo dessa teoria, a formação de professores em Educação Ambiental tem alicerce no referencial teórico da dialética marxista, como forma de entendimento da realidade objetiva, o que proporciona compreender a totalidade que envolve a relação homem-natureza. O pensamento marxista visa contribuir para a emancipação humana, o que deve ocorrer sem negar os conteúdos da própria realidade do aluno; e dentre os conteúdos indispensáveis a esse intento, encontra-se o de enfoque ambiental. A Educação Ambiental crítica e emancipatória idealiza a formação de um sujeito ecológico, capaz de encarar os problemas socioambientais, resultados de uma crise ambiental insustentável. Nesse sentido, o presente artigo busca contribuir para a reflexão de que é imprescindível que ocorra a inclusão da temática socioambiental na formação de professores no Brasil, para que haja discussão desse assunto em seus aspectos históricos, políticos, ideológicos, sociais e econômicos, almejando que os professores ali formados sejam capacitados para dialogar sobre o assunto no ambiente escolar.


Palavras-chave


Educação Ambiental. Licenciatura. Pedagogia Histórico-crítica. Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos do estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARAÚJO, M. L.; OLIVEIRA, M. M. de O. Formação de professores de biologia e educação ambiental: contribuições, deficiências e estratégias. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, FURG, v. 20, janeiro – junho, 2008, p. 256-273.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Vozes: Petrópolis, 1996.

BOCK A. M.; GONÇALVES, M. G. G. e FURTADO, O. Psicologia sócio-histórica – uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. MEC. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf

______ . Coletânea de Legislação de Direito Ambiental. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002a.

______ . Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 9/2001. Diretrizes

Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica. Brasília, 18 de janeiro de 2002b.

______ . Lei 9.795, de 27.04.1999. Dispõe sobre Educação Ambiental e institui

a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm Acesso em: Fev. 2017.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura. A invenção do sujeito ecológico: identidade e

subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel (Org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução 01, de 15.05.2006.

Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em

Pedagogia, licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf Acesso: Fev. 2017.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2000.

DUARTE, Newton. Luta de classes, educação e revolução. Revista Germinal: Marxismo e Educação em Debate. Londrina, v. 3, n. 1, p. 128-138, fev. 2011.

FERREIRA, C. F. B. Formação de professores: concepções e práticas pedagógicas de educação ambiental [Dissertação]. Rio de Janeiro: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, 2010. 105 p.

FREITAS, Luis Carlos de. Neotecnicismo e Formação do Educador. In.: ALVES, N. (org.). Formação de Professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 2001.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra. São Paulo: Petrópolis, 2000.

GASPARIN, João Luiz; PETENUCCI, Maria Cristina. PEDAGOGIA HISTÓRICO CRÍTICA: DA TEORIA À PRÁTICA NO CONTEXTO ESCOLAR. Artigo, Paraná: 2007. Disponível em: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2289-8.pdf

GOODSON, Ivor F. Currículo: Teoria e História. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOUVÊA, G. R. R. Rumos da formação de professores para a educação ambiental. Educar em Revista, Curitiba, n.27, jan./jun. 2006.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas: Papirus, 1995.

GUIMARÃES, S. S. M. O saber ambiental na formação dos professores de Biologia. (Dissertação Mestrado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, Araraquara – SP. 2009.

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo, Brasiliense, 2003.

KUENZER, Acacia Z. Currículo, trabalho e profissionalização docente. In: IV Colóquio Luso-Brasileiro sobre Questões Curriculares e VIII Colóquio sobre Questões Curriculares. Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

LAWTON, Denis. Class, culture and the curriculum. Londres: Routledge & Kegan Paul, 1975.

LEFF, Enrique. Complexidade, Racionalidade Ambiental e Diálogo de Saberes. Educação e Realidade. Setembro a Dezembro de 2009.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 6. ed. rev. e ampl. São Paulo: Heccus, 2013.

_____. Formação de professores e nova qualidade educacional: apontamentos para um balanço crítico. Educativa, Universidade Católica de Goiânia: Goiás, v.3, p.43-70, jan/dez, 2000.

LIMA, Michelle Fernandes; ZANLORENZI, Claudia Maria Petchak; PINHEIRO, Luciana Ribeiro. A função do currículo no contexto escolar. Curitiba: IBPEX, 2011.

LIMA, W. Aprendizagem e classificação social: um desafio aos conceitos. Fórum Crítico da Educação, v. 3, n.1, p. 29-55, 2004.

LOUREIRO, C. F. B, In: GUIMARÃES, M. Caminhos da educação ambiental: da

forma à ação. Campinas, Papirus. 2006.

LOUREIRO, C.F.B. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora. Revista Ambiente e Educação, Rio Grande, 8: 37-54, 2003.

MAIA, J. S. da S. Educação Ambiental Crítica e formação de professores: construção coletiva de uma proposta na escola pública. Tese (doutorado) – UNESP. Bauru, 2011.

MAINARDES, Jefferson; STREMEL, Silvana. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias v. 11 • n. 22 • xxx-yyy • maio/agosto 2010.

MARX, K. La sagrada família. Madrid: Akal,1981.

MOREIRA, Antônio Flávio. A importância do conhecimento escolar em propostas curriculares alternativas. Educação em Revista. 2007, n.45, p. 265‐290.

______ . Conhecimento educacional e formação do professor. Campinas: Papirus, 1995.

______ . Currículos e Programas no Brasil. Campinas: Papirus, 1990.

PARASKEVA, João M. Michael W. Apple e os estudos curriculares críticos. Currículo sem Fronteiras, v.2, n.1, p.106‐120, Jan/Jun 2002.

PEDRA, José Alberto. Currículo e conhecimento: níveis de seleção do conteúdo. Em Aberto, Brasília, ano 12, n.58, abr./jun. 1993.

ROSALEM, B. M.; BAROLLI, E. Ambientalização curricular na formação inicial de professores: o curso de pedagogia da FE-UNICAMP. Revista Brasileira de Educação Ambiental. FURG, v. 5, n. 1, p. 26-36, 2010.

SANCHEZ VAZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. 454p.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2003.

______. Escola e Democracia. 39. ed. Campinas: Autores Associados, 2007.

______. A função docente e a produção do conhecimento. Educação e Filosofia. vol. 11, n.21/22, pp.127-140, jan/jun e jul/dez, 1997

______. Escola e Democracia. 30ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1995. (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SCHÖN, Donald A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad: Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SILVA et al. A educação ambiental na formação do pedagogo: uma experiência

integrada na UNISUL – Tubarão (SC). UNIrevista, v. 1, n. 2, abril. 2006.

SILVA, Tomaz Tadeu. O Currículo como Fetiche: a poética e a política. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

______ . Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. 9ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

TRIVIÑOS, Augusto Silva. A dialética materialista e a prática social. Movimento. Porto Alegre, v.12, n. 02, p. 121-142, maio/agosto de 2006.

VASCONCELOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto políticopedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad, 2004.

VERONA, M. F.; LORENCINI JÚNIOR, A. Concepções de educação ambiental e a formação inicial de professores de ciências e biologia: uma análise da Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR). Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental: configuração do campo de pesquisa em educação ambiental, n.5, 2009, p.181-195.

VIVEIRO, A. A.; CAMPOS, L. M. L. Formação de professores de ciências e a temática ambiental: um olhar sobre o curso de licenciatura. Encontro de Pesquisa em Educação

Ambiental: configuração do campo de pesquisa em educação ambiental, n.5, 2009, p.1134- 1147.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/recc.v24i2.4496

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN: 2236-6377

UNILASALLE - Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Cep: 92.010-000